sicnot

Perfil

País

Cavaco recebe governador do Banco de Portugal na quinta-feira

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, recebe na quinta-feira o governador do Banco de Portugal, além de ouvir sete economistas em audiências separadas e antes de receber os partidos com assento parlamentar, na sexta-feira.

A agenda do encontro de Cavaco Silva com o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa (na imagem), que decorrerá às 17:15, surgiu já ao final do dia. (Arquivo)

A agenda do encontro de Cavaco Silva com o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa (na imagem), que decorrerá às 17:15, surgiu já ao final do dia. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

A agenda do encontro de Cavaco Silva com o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, que decorrerá às 17:15, surgiu já ao final do dia.

Cavaco Silva receberá também na quinta-feira, às 18:00, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, para a habitual reunião semanal.

Depois de o XX Governo Constitucional ter sido derrubado a 10 de novembro no parlamento, através da aprovação de uma moção de rejeição por todos os partidos da oposição, Cavaco Silva ouviu, somando os encontros de quinta-feira, 24 entidades sobre o impasse político, ultrapassando o número de personalidades ouvidas pelo seu antecessor, Jorge Sampaio (17), em 2004.

O chefe de Estado começou por ouvir, em nove audiências separadas, as confederações patronais, as associações empresariais e as centrais sindicais. Já esta semana, na quarta-feira, recebeu, em sete audiências separadas, os presidentes dos principais bancos a operar em Portugal e o presidente da Associação Portuguesa de Bancos.

Cavaco Silva ouvirá quinta-feira mais sete personalidades da área económica: de acordo com a agenda disponibilizada pela Presidência da República, as audiências começam às 10:00 com Vítor Bento, seguindo-se 45 minutos depois o presidente da COTEC, Daniel Bessa.

Os ex-ministros das Finanças João Salgueiro e Luís Campos e Cunha são ouvidos às 11:30 e às 12:15, respetivamente, começando a ronda da tarde às 15:00 com o anterior governante do executivo de José Sócrates, Teixeira dos Santos.

O conselheiro de Estado Bagão Félix, às 15:45, e o ex-ministro da Economia Augusto Mateus, às 16:30, encerram a ronda.

A 'lista' de personalidades chamadas a Belém por Jorge Sampaio incluiu ex-primeiros-ministros e ex-Presidentes da República, constitucionalistas, políticos de esquerda e de direita, além do agora chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.