sicnot

Perfil

País

Manuel Godinho condenado a mais dois anos e meio de prisão por corrupção

O sucateiro Manuel Godinho foi hoje condenado a mais dois anos e meio de prisão efetiva. Em causa estava o suborno um ex-funcionário da antiga Rede Ferroviária Nacional (Refer), também condenado no mesmo processo.

Manuela Godinho / Arquivo Lusa

Manuela Godinho / Arquivo Lusa

PAULO NOVAIS

O coletivo de juízes do no Tribunal de Aveiro deu como provado que o sucateiro pagou 128 mil euros a um engenheiro da Refer, que à data dos factos era responsável pela Via e Geotecnia da Zona Operacional de Conservação Sul, para praticar "atos materiais que visavam favorecer economicamente" as suas empresas.

Durante a leitura do acórdão, o juiz-presidente Jorge Bispo disse que o tribunal não ficou com dúvidas de que este dinheiro serviu como contrapartida pelas condutas que o ex-funcionário da Refer aceitou levar a cabo, no âmbito do acordo estabelecido com Manuel Godinho.

O magistrado referiu-se ainda ao facto de o ex-funcionário da Refer ter trabalhado em duas empresas administradas pelo empresário das sucatas, após ter sido despedido pela gestora ferroviária, o que é "revelador de uma certa relação de proximidade entre ambos".

"Esta contratação terá sido uma forma de compensar o arguido pela perda do emprego, na sequência de condutas ilícitas levadas a cabo no âmbito do acordo estabelecido entre ambos", concluiu o juiz-presidente.

Manuel Godinho foi assim condenado a dois anos e meio de prisão efetiva, por um crime de corrupção ativa.

O outro arguido foi condenado a três anos de prisão, por um crime de corrupção passiva, e dois anos, por um crime de falsificação de documento.

Em cúmulo jurídico, foi-lhe aplicada uma pena única de três anos e meio de prisão efetiva.

Este arguido foi ainda absolvido de um crime de fraude fiscal de que estava acusado.

O tribunal decidiu não suspender as penas, devido à "elevada gravidade dos factos e à postura adotada por ambos os arguidos durante o julgamento", explicou o juiz-presidente.

Além da pena de prisão, os dois arguidos foram condenados a pagar solidariamente cerca de 77 mil euros à Refer, atualmente designada por Infraestruturas de Portugal.

O ex-funcionário da gestora ferroviária terá ainda de devolver ao Estado os 128 mil euros recebidos por Manuel Godinho.

Os advogados dos dois arguidos já disseram que vão recorrer da decisão.

Segundo a acusação, Manuel Godinho conseguiu que a Refer lhe pagasse 115 mil euros por trabalhos que não foram realizados ou que já tinham sido pagos, contando, para isso, com a cumplicidade de um engenheiro da empresa que rubricou as faturas, promovendo o pagamento desses serviços.

Em setembro do ano passado, Manuel Godinho foi condenado no âmbito do processo "Face Oculta" a 17 anos e meio de prisão, por 49 crimes de associação criminosa, corrupção, tráfico de influência, furto qualificado, burla, falsificação e perturbação de arrematação pública.

A defesa do empresário de Ovar recorreu do acórdão para o Tribunal da Relação do Porto, não havendo ainda decisão.

Com Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.