sicnot

Perfil

País

Passos e Portas regressam ao parlamento como deputados

As mudanças nas bancadas parlamentares de PS, PSD e CDS-PP com a entrada em funções do novo Governo serão hoje visíveis, com Pedro Passos Coelho e Paulo Portas a regressarem ao parlamento e 21 deputados do PS a serem substituídos.

MIGUEL A. LOPES


Antes da sessão plenária, agendada para as 10:00, haverá um encontro da comissão de regimento e mandatos para dar o aval à substituição dos deputados que abandonam a Assembleia da República para irem para o Governo e para assinalar o regresso daqueles que regressam vindos do anterior Governo, responsabilidade de PSD e CDS-PP.

No PS, quase um quarto dos membros da bancada parlamentar, 21 num total de 86, vai exercer funções de ministro ou de secretário de Estado no XXI Governo Constitucional, chefiado pelo secretário-geral do PS, António Costa.

Além do primeiro-ministro, nove dos 17 ministros do novo Governo saem da bancada socialista, encontrando-se nesta lista figuras como Mário Centeno, Eduardo Cabrita, João Soares ou Tiago Brandão Rodrigues.

Para além dos novos ministros há vários parlamentares que vão passar para secretarias de Estado, casos de Pedro Nuno Santos, Margarida Marques, José Luís Carneiro, Graça Fonseca, Ricardo Mourinho Félix, Fernando Rocha Andrade ou Marcos Perestrello.

Já com PSD e CDS-PP, que abandonam a governação de Portugal, as mudanças são diferentes: há 15 membros sociais-democratas que cessam funções governativas e regressam à Assembleia da República e quatro centristas em situação igual, o que motivará a saída de vários parlamentares.

Com a tomada de posse do novo executivo assumem automaticamente o mandato na bancada do PSD nomes como Pedro Passos Coelho, Maria Luís Albuquerque, Margarida Mano, Teresa Morais, Luís Marques Guedes, Carlos Costa Neves ou José Cesário.

Entre os 15 parlamentares sociais-democratas que haviam substituído os deputados eleitos que foram para o XX Governo Constitucional, da responsabilidade de PSD e CDS-PP, e agora cessam funções estão Rui Ferreira da Silva, Maria Celeste Cardoso, Miguel Peixoto, Nuno Encarnação, Maria da Conceição Pereira, Ricardo Baptista Leite e Ana Sofia Bettencourt, entre outros.

Na bancada do CDS-PP são menos as alterações: Paulo Portas, Pedro Mota Soares, João Almeida e Assunção Cristas regressam ao parlamento e motivam a saída de Filipe Anacoreta Correia, Francisco Mendes da Silva, Manuel Isaac e Lília Ana Águas.

A agenda parlamentar do dia contempla, por exemplo, debate diplomas sobre o fim dos exames e provas do primeiro ciclo do ensino básico e um conjunto de textos pedindo a reversão de subconcessões de empresas de transportes públicos.

Pelas 12:00, como habitualmente, haverá votações regimentais que contarão já com os pareceres favoráveis, desfavoráveis ou de abstenção dos deputados que entretanto voltaram ou se estreiam no parlamento.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.