sicnot

Perfil

País

António Costa não estava inscrito para falar na Cimeira do Clima

O novo ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, confirmou à Lusa que o primeiro-ministro, António Costa, não estava inscrito para falar na sessão de abertura da Conferência da ONU sobre o Clima, a COP 21.

reuters

"É um facto que o senhor primeiro-ministro António Costa não estava inscrito para falar, isso é factual", afirmou João Matos Fernandes à Lusa, no recinto da COP21, nos arredores de Paris, acrescentando que "o que é importante sublinhar é que o primeiro-ministro, não estando inscrito, está cá para mostrar de forma clara aos portugueses o quanto Portugal está empenhado em conseguir este acordo e também para mostrar a todos os seus colegas do planeta e, sobretudo da União Europeia, que Portugal está, de facto, muito empenhado".

O responsável pela pasta do Ambiente escusou-se a explicar as razões pelas quais o novo primeiro-ministro não discursou - ao contrário dos restantes cerca de 150 chefes de Estado e de governo presentes na cerimónia - não comentando se o anterior executivo não inscreveu Portugal na COP21.

"Confesso que não vou alimentar essa polémica porque não tem nenhuma relevância ambiental. É um facto que o senhor primeiro-ministro não estava inscrito com todo o respeito por quem tem opiniões diferentes desta", continuou.

Segundo avançou hoje de manhã o Expresso online, António Costa não poderá falar na Conferência sobre o Clima porque o anterior Governo não inscreveu Portugal na COP21.

António Costa também não falou à imprensa esta manhã devido às medidas de segurança na cimeira que impedem o acesso dos jornalistas à sala plenária da COP21 onde está o chefe de governo português.

O primeiro-ministro vai ser recebido pela presidente da Câmara de Paris, Anne Hidalgo, esta tarde, e depois irá à sala de concertos Bataclan para prestar homenagem às vítimas dos atentados de Paris de 13 de novembro.

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional.