sicnot

Perfil

País

Novo governo prevê revisão da lei sobre requalificação da função pública

O primeiro despedimento de funcionários na requalificação deveria acontecer já no início do próximo ano, mas o novo Governo prepara-se para alterar a lei. De acordo com a imprensa de hoje, o Executivo de António Costa já chegou a acordo com o PCP e com o Bloco de Esquerda para revogar a lei que substituiu a mobilidade especial e que colocou os funcionários públicos considerados excedentários na inatividade, com quase metade do salário.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

De acordo com a Direção-Geral da Administração e do Emprego Público existiam 845 trabalhadores nesta situação no 3º trimestre deste ano. Menos 30% que em junho e 20% que em setembro no ano passado.

A lei da requalificação completa amanhã 2 anos mas só em fevereiro é que começou a ter efeitos práticos. Por esse motivo, no início do próximo ano poderiam começar a ser dispensados os primeiros funcionários públicos, entre os mais de 600 trabalhadores da Segurança Social que começaram por ser colocados neste regime de requalificação que, ao contrário da mobilidade, prevê o despedimento definitivo de todos os contratos anteriores a 2009.

  • Portugueses e espanhóis protestam em Salamanca contra mina de urânio
    0:38

    País

    O Bloco de esquerda desafia o Governo português a exigir às autoridades espanholas uma avaliação do impacto ambiental da mina de urânio a 40 quilómetros da fronteira portuguesa. Este caso está gerar contestação entre os ambientalistas. Várias associações portuguesas participaram este sábado numa manifestação em Salamanca. A Quercus diz-se preocupada com o impacto da mina de urânio no território português.

  • PS e PSD querem acordo sobre fundos e descentralização até ao verão
    3:07
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de três armas da PSP, recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avança hoje que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • As gravações que provam que as autoridades conheciam o perfil violento de Nikolas Cruz
    1:35