sicnot

Perfil

País

Ministério da Administração Interna quer inquérito no acidente da A12

última hora

O Ministério da Administração Interna ordenou à Proteção Civil a abertura do inquérito a propósito do choque em cadeia de ontem na A12, para apuramento de responsabilidades pela demora na assistência a uma condutora que acabou por morrer.

"Por indicação do secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, foi pedido ontem [quarta-feira] ao presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil, major-general Francisco Grave Pereira, que fosse aberto um inquérito para que se apurem as circunstâncias em que foi prestado o socorro no acidente ocorrido na A12", disse à agência Lusa, fonte oficial do MAI.

Segundo a mesma fonte, a decisão foi tomada após informações sobre a possível demora na assistência à única vítima mortal, uma mulher de 55 anos, que só terá sido encontrada pelas autoridades no meio dos destroços mais de duas horas depois do choque em cadeia, ocorrido na manhã de quarta-feira, logo após as portagens do Pinhal Novo, na direção da Ponte Vasco da Gama, no sentido Setúbal/Lisboa.

EM ATUALIZAÇÃO/Com Lusa

  • Um morto e 15 feridos no choque em cadeia na A12
    2:18

    País

    Uma pessoa morreu e 15 ficaram feridas, três delas com gravidade, num violento acidente em cadeia que ocorreu esta manhã na A12, logo a seguir às portagens de Pinhal Novo. O acidente envolveu 15 viaturas ligeiras e um autocarro. Uma das vítimas só foi descoberta dentro de um carro mais de duas horas depois.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.