sicnot

Perfil

País

Carlos Cruz vai passar o Natal a casa

O ex-apresentador de televisão Carlos Cruz, a cumprir pena de prisão no âmbito processo Casa Pia, vai passar o Natal a casa, em regime de licença precária.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

"Suponho que sai no dia 24 [de dezembro]", adiantou Ricardo Sá Fernandes, em declarações à agência Lusa.

O advogado explicou que o pedido de licença precária foi deferido pelo juiz de Execução de Penas, e que o Ministério Público não contestou a decisão, pelo que, agora, "já está assente" que Carlos Cruz "vai passar o Natal a casa".

Quanto ao pedido de liberdade condicional do ex-apresentador de televisão, que acaba de completar dois terços da pena de prisão a que foi condenado, Ricardo Sá Fernandes referiu que a apreciação do assunto compete ao Tribunal de Execução de Penas, e acrescentou que, em janeiro, deverá haver novidades.

Carlos Cruz havia cumprido, em dezembro de 2014, metade da pena (três dos seis anos) a que foi condenado, depois de o Tribunal da Relação de Lisboa ter alterado, em sede de recurso, a pena inicial de sete anos de prisão a que Carlos Cruz tinha sido condenado na primeira instância, fixando-a em seis anos, por três crimes de abuso sexual de menores.

Foram ainda condenados no processo Casa Pia, relacionado com abusos sexuais de alunos e ex-alunos da instituição, o antigo motorista casapiano Carlos Silvino (15 anos de prisão), o médico Ferreira Dinis (sete anos de prisão), Manuel Abrantes (cinco anos e nove meses) e Jorge Ritto (seis anos e oito meses).

Com Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.