sicnot

Perfil

País

Hospital Amadora-Sintra quer pagar aos médicos por doente para garantir as urgências

Hospital Amadora-Sintra quer pagar aos médicos por doente para garantir as urgências

O hospital Amadora Sintra quer pagar aos médicos por cada doente para garantir as urgências durante o período da gripe. O plano de contingência prevê remunerações mais elevadas e o recurso a médicos de família.

  • Hospitais públicos podem em caso de rutura desviar doentes para privados
    1:31

    País

    Os centros de saúde vão estar abertos até mais tarde durante o pico da gripe e os hospitais vão ter mais camas para evitar eventuais ruturas no Serviço Nacional de Saúde. As medidas estão previstas no plano de contingência que está a ser ultimado pelo Governo. Em caso de rutura das urgências e em último recurso, os hospitais públicos e os centros de saúde podem reencaminhar os doentes para os privados.

  • Plano contra o frio e a gripe passa pelos lares de idosos
    2:22

    País

    Os lares e residências de idosos do país vão ser visitados por delegados de saúde que irão verificar se as unidades estão ou não preparadas para o frio e para a gripe. Estas é uma das medidas do plano de inverno da Direção-geral de Saúde que este ano conta também com a intervenção direta das farmácias.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.