sicnot

Perfil

País

Mais de 27 mil infrações por uso de telemóvel ao volante desde o início do ano

A GNR detetou, entre o início do ano e até domingo, mais de 27 mil infrações por uso indevido do telemóvel durante a condução, 207 das quais na operação efetuada entre 30 de novembro e 3 de dezembro.

(Reuters/Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

© Fred Prouser / Reuters

Segundo adianta a GNR, durante a operação "Smartohone, Smartdrive" foram realizadas ações de sensibilização no meio escolar (476 no total), tendo sido abrangidos 11 984 alunos.

Nesta operação foram detetadas 207 infrações por uso indevido do telemóvel durante a condução.

A operação teve duas fase distintas, tendo na 1ª Fase (30 de novembro e 2 de dezembro) sido realizadas ações de sensibilização, através das Secções de Programas Especiais dos Comandos Territoriais, com especial incidência para o meio escolar.

Na 2ª Fase (3 e 4 de dezembro) foi intensificada a fiscalização rodoviária para detetar este tipo de infrações, tendo estado envolvidos militares da GNR dos vários Comandos Territoriais e da Unidade Nacional de Trânsito.

Desde 1 de janeiro e até 27 de novembro, a GNR detetou 26 mil infrações por uso indevido do telemóvel durante a condução, tendo o distrito do Porto registado o maior número de infrações (4.385):

  • Porto (4.385 infrações),
  • Lisboa (3.406),
  • Aveiro (2.973),
  • Braga (2.220),
  • Faro (1.937),
  • Setúbal (1.878),
  • Viana do Castelo (1.820),
  • Leiria (1.459),
  • Santarém (1.353),
  • Coimbra (1.303),
  • Viseu (835),
  • Évora (636),
  • Vila Real (488),
  • Castelo Branco (463),
  • Bragança (368),
  • Beja (310),
  • Guarda (283)
  • Portalegre (181)

Com Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite