sicnot

Perfil

País

PCP solidário com Nicólas Maduro

Os dirigentes do PCP mostraram-se hoje solidários com o presidente venezuelano, Nicólas Maduro, cujo Partido Socialista Unido da Venezuela foi derrotado nas eleições de domingo pela coligação Mesa da Unidade Democrática (MUD), que obteve maioria de dois terços.

(arquivo)

(arquivo)

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

"Tendo-se realizado as eleições legislativas na República Bolivariana da Venezuela, onde após 17 anos (e 18 atos eleitorais em que foram derrotadas) as forças contrarrevolucionárias alcançaram a maioria dos lugares no parlamento, o PCP expressa a sua solidariedade às forças reunidas no Grande Polo Patriótico e, nomeadamente, ao Partido Socialista Unido da Venezuela e ao Partido Comunista da Venezuela", lê-se em comunicado.

O texto do PCP manifesta "confiança de que as forças progressistas e revolucionárias venezuelanas encontrarão as soluções que defendam o processo revolucionário bolivariano" e justifica o desaire pelo "contexto de uma conjuntura económica particularmente desfavorável em resultado da baixa do preço do petróleo e no quadro de grandes operações de desestabilização e boicote económico dos setores mais reacionários venezuelanos, articuladas com a ingerência do imperialismo".

A coligação da oposição obteve 99 assentos parlamentares face a 46 do PSUV, anunciou a presidente do Conselho Nacional Eeleitoral venezuelano, Tibisay Lucena, numa aparição pública, cerca de cinco horas depois do encerramento das urnas.

Segundo Tibisay Lucena, houve uma "participação extraordinária" de 74,25% nas eleições parlamentares de domingo e já foram contabilizados 96,03% dos votos, sendo as tendências "irreversíveis".

Maduro já fez uma comunicação através da televisão, afirmando aceitar os resultados com "a moral e a ética do chavismo" e destacou o triunfo da "Constituição e da democracia".

Os resultados eleitorais traduzem uma viragem histórica depois da chegada do poder do 'chavismo' (de Hugo Chavez) em 1999, apesar de diversos analistas advertirem que Maduro pode tentar limitar os poderes do parlamento para contrariar o triunfo da oposição.

Cerca de 19,8 milhões de eleitores foram chamados às urnas no domingo para as eleições destinadas a renovar a Assembleia Nacional (parlamento) de 167 deputados, três dos quais em representação das comunidades indígenas.

Lusa

  • Nicolás Maduro reconhece derrota
    0:36

    Mundo

    O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, reconheceu a derrota da sua formação política, o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), pela primeira vez em 16 anos, nas eleições legislativas de domingo.

  • Sondagens dão vitória à oposição na Venezuela
    1:58

    Mundo

    Hoje, na Venezuela, 20 milhões de eleitores escolhem os 167 deputados da Assembleia Nacional para os próximos cinco anos. A atravessar uma crise profunda, o socialismo bolivariano de Nicolas Maduro e a Herança de Hugo Chavez, que chegou ao poder há 16 anos, podem estar em causa nestas legislativas. Pela primeira vez as sondagens dão a vitória à oposição.

  • Oposição à frente nas sondagens na Venezuela
    2:06

    Mundo

    As eleições legislativas realizam-se este domingo na Venezuela. A campanha terminou esta quinta-feira e as sondagens apontam para a vitória da oposição frente ao partido de Nicolás Maduro. O eurodeputado português José Inácio Faria, do Partido da Terra, iniciou hoje uma visita de três dias a Caracas, para participar como observador nestas eleições.

  • As vantagens de comprar online
    8:03
  • Suspeito de homicídio à porta do Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em preventiva
    1:36

    País

    O suspeito de ser o autor dos disparos que mataram um jovem junto à discoteca Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em prisão preventiva. Segundo a investigação, tudo terá começado com um mero desacato, ainda dentro da discoteca, onde a vítima e o detido foram filmados a discutir. O homem de 23 anos está indiciado por dois crimes de homicídio, um na forma tentada.

  • Filho de Trump critica mayor de Londres por palavras de 2016

    Ataque em Londres

    Donald Trump Júnior criticou o presidente da Câmara de Londres logo a seguir ao ataque de quarta-feira que fez três mortos e mais de 40 feridos. O filho de Presidente publicou no Twitter uma reação a uma declaração de Sadiq Khan de setembro de 2016. Para o Presidente dos EUA, o ataque em Londres é "uma grande notícia".

  • Marcelo reuniu-se com líderes europeus para falar do futuro da UE
    2:31

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa esteve esta quarta-feira em Bruxelas e participou numa homenagem às vítimas do atentado em Bruxelas, onde colocou uma coroa de flores junto ao monumento.O Presidente da República esteve também reunido com os líderes das principais instituições europeias para falar sobre o futuro da UE.