sicnot

Perfil

País

Bragança, Faro e Açores sob aviso amarelo devido ao mau tempo

Os distritos de Bragança e Faro e os Açores estão hoje sob aviso amarelo devido à previsão de chuva e vento forte, nevoeiro e agitação marítima, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com o IPMA, o distrito de Bragança está sob aviso amarelo desde as 08:00 de hoje e até às 12:00 de sábado devido à previsão de nevoeiro persistente.

Também sob aviso amarelo está o distrito de Faro devido à previsão de agitação marítima forte, com ondas de sueste até dois metros.

O aviso para Faro vai estar em vigor entre as 00:00 e as 18:00 de hoje.

O IPMA colocou ainda os grupos central e ocidental dos Açores sob aviso amarelo devido à previsão de chuva e vento forte.

De acordo com o instituto, o grupo central (São Jorge, Graciosa, Terceira, Pico e Faial) está sob aviso amarelo entre as 06:00 e as 18:00 de hoje devido à previsão de chuva por vezes forte e vento forte.

O grupo ocidental (Flores e Corvo) está sob aviso amarelo desde as 21:00 de quinta-feira e as 09:00 de hoje devido à chuva pontualmente forte.

O aviso amarelo é o terceiro mais grave de uma escala de quatro e significa risco para determinadas atividades dependentes do estado do tempo.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.