sicnot

Perfil

País

PS protesta por ato "xenófobo" contra clube português na periferia de Paris

O deputado socialista Paulo Pisco escreveu hoje ao embaixador de França em Portugal para manifestar preocupação por a sede do Clube Português de Brie-Comte-Robert, na periferia de Paris, ter sido vandalizada com inscrições xenófobas.

© Gonzalo Fuentes / Reuters (Arquivo)

A sede do Clube Português de Brie-Comte-Robert, a sudeste de Paris, foi vandalizada na noite de terça para quarta-feira, tendo sido escritas na fachada do edifício frases como "morte aos portugueses", "morte aos estrangeiros" e aos "ciganos" e ainda "Viva a FN [Frente Nacional]".

Na carta dirigida ao embaixador francês em Lisboa, Jean-François Blarel, o deputado do PS considera estar perante inscrições de teor "xenófobo ofensivo contra os portugueses, que merece uma absoluta condenação, independentemente das intenções com que aquele ato de vandalismo foi praticado".

"A comunidade portuguesa na localidade de Brie-Comte-Robert merece a maior consideração por parte da população local e nunca teve qualquer tipo de problemas. Sempre teve também um excelente relacionamento com a mairie local (autarquia local), que logo se apressou a apresentar queixa do sucedido. O mesmo se pode dizer do Clube Português, que já existe há várias décadas, igualmente com uma boa convivência com a população local", sustenta Paulo Pisco.

O deputado do PS pede depois que o Governo francês faça as "diligências necessárias para averiguar quem escreveu aquelas frases xenófobas associadas ao partido Frente Nacional".

"A xenofobia e o racismo são condenados à luz do Código Penal francês e na Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia. Por outro lado, é absolutamente condenável que a comunidade portuguesa possa, eventualmente, ter sido instrumentalizada, visto que em todo o território francês é extraordinariamente bem considerada e constitui um exemplo a nível da integração e de harmonia na relação com as populações locais", defende ainda Paulo Pisco.

Lusa

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20