sicnot

Perfil

País

António Costa estreia-se 4ª feira nos debates quinzenais

António Costa estreia-se quarta-feira como primeiro-ministro nos debates quinzenais no parlamento, um modelo instituído em 2007 e que vigora desde janeiro de 2008, na sequência da reforma do regimento da Assembleia da República.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters (Arquivo)

Antes disso, os debates eram mensais e era sempre o primeiro-ministro a iniciar a discussão. A mudança no Regimento deu mais peso à fiscalização política da atividade governativa e mais espaço à oposição que passou a poder iniciar os debates, num modelo elogiado por todas as bancadas e que já foi criticado por António Costa.

A alteração resultou da reforma do Regimento aprovada em julho de 2007 e entrou em vigor em setembro, com o primeiro debate quinzenal a realizar-se em janeiro de 2008, depois de um período de transição para as novas regras, que incluíram também a mudança do dia das votações para sexta-feira e a redução da duração das intervenções.

A proposta partiu do ex-secretário-geral socialista António José Seguro, que apresentou em maio de 2007 um conjunto de 90 recomendações para a reforma do parlamento e coordenou o grupo de trabalho no parlamento: os debates quinzenais permitem "uma maior centralidade do parlamento no debate político", dizia Seguro, em julho de 2007.

Ao fim de três debates quinzenais -- o primeiro chefe de governo a enfrentá-los foi o ex-primeiro-ministro José Sócrates, em janeiro de 2008 - as bancadas parlamentares consideraram sem exceção que o novo modelo era mais eficaz e permitia uma maior fiscalização política.

Os partidos da então maioria PS e da oposição, PSD, CDS-PP, PCP e BE, afirmaram gostar mais deste modelo -- mais democrático, mais vivo, menos governamentalizado -- com intervenções e debates menos longos do que antes, mas, disseram, igualmente exigentes.

O primeiro a utilizar a estratégia de formular perguntas mais diretas e incisivas foi o líder do CDS-PP, Paulo Portas, que inaugurou a tática das perguntas cirúrgicas com uma questão sobre o número de efetivos da polícia e o CDS reclamou que José Sócrates não tinha respondido.

O modelo de debates de quinze em quinze dias foi no entanto criticado pelo então presidente da Câmara Municipal de Lisboa e hoje primeiro-ministro, António Costa, que em novembro de 2013 afirmou no programa da Quadratura do Círculo, da SIC, que se tratava de "uma das invenções mais estúpidas que a Assembleia da República fez nos últimos anos".

O então comentador político considerou, citado pelo jornal i, que o novo modelo de debates prejudicou a obtenção de consensos e contribuiu para a "deterioração cada vez mais acentuada das relações" entre os interlocutores políticos.

"Ou o primeiro-ministro mata o interpelante líder da oposição, ou o interpelante líder da oposição mata o primeiro-ministro", afirmou então António Costa, numa crítica que ficou sem resposta por parte do autor da ideia, António José Seguro.

António Costa voltou a criticar o modelo de debates quinzenais em abril passado no Clube dos Pensadores, em Vila Nova de Gaia, reiterando a sua posição de que este modelo transforma os debates em duelos.

A opinião de Costa sobre os debates quinzenais já motivou uma troca exaltada de argumentos no plenário quando o líder parlamentar do CDS-PP, Nuno Magalhães, apontou, em abril, o contraste entre o tom das intervenções dos socialistas no debate quinzenal que estava a decorrer e as críticas do secretário-geral do PS ao modelo.

"É caso para dizer que, a ter atenção nas declarações de António Costa e hoje a intervenção do PS, sobre sonsice política em política estamos conversados", afirmou Nuno Magalhães. Também Pedro Passos Coelho, primeiro-ministro na altura, se referiu aos debates quinzenais e defendeu que todos devem dar um contributo para distinguir nas discussões parlamentares o que é convicção do que é agressividade na defesa das posições políticas.

Lusa

  • Costa quer eliminar sobretaxa e repor salários tão rápido quanto possível
    0:54

    Economia

    O primeiro-ministro quer devolver de forma mais rápida possível os cortes nos salários e a sobretaxa de IRS. É uma tentativa de ir ao encontro das exigências do Bloco de Esquerda e do PCP, que exigem a reposição total dos salários e a eliminação da sobretaxa já a partir de janeiro. Ainda assim, António Costa avisa que esta devolução dependerá sempre da disponibilidade financeira do Estado.

  • Passos acusa PS de Costa de ser muito diferente do PS das últimas décadas
    1:03

    País

    Pedro Passos Coelho acusa o PS de estar hoje muito mais próximo do PCP e do Bloco de Esquerda e muito diferente do Partido Socialista das últimas décadas. Na primeira entrevista depois das legislativas, ao jornal Público, o presidente do PSD garante que tentou negociar com todos os partidos enquanto foi primeiro ministro e diz que António Costa é hoje primeiro-ministro porque nunca tentou encontrar consensos com a coligação sobre os temas importantes para o país.

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59