sicnot

Perfil

País

Cada português fez mais 13 quilogramas de lixo em 2014

Cada português fez mais 13 quilogramas de lixo em 2014, atingindo 453 quilogramas, tendência igualmente seguida na indústria, que gerou um total de 11,3 milhões de toneladas de resíduos, anunciou hoje o INE.

(SIC/ Arquivo)

Segundo as Estatísticas do Ambiente do Instituto Nacional de Estatística (INE) para 2014, as principais pressões sobre esta área estavam relacionadas com o aumento dos resíduos gerados pelas famílias e pela indústria, com o maior número de veículos "presumivelmente em circulação" e com o crescimento do consumo final de energia.

O consumo privado das famílias a viver em Portugal aumentou 2,3% o que terá contribuído para o aumento de 2,4% dos resíduos urbanos gerados, explica o INE.

No setor empresarial, a indústria gerou mais 137 mil toneladas de resíduos, ou seja, uma subida de 1,2%, na comparação com 2013, totalizando 11,3 milhões de toneladas.

A avaliação efetuada à evolução do destino dado ao lixo urbano revelou "uma predominância da deposição em aterro", com 49% do total dos resíduos urbanos gerados em 2014.

Além do aterro, a valorização energética foi o destino de 20,7% do lixo, a valorização orgânica teve 14,1% do lixo e a recolha seletiva abrangeu 13,6%.

A par da redução global da geração de resíduos que influencia as quantidades de recolha seletiva, o INE refere que a participação da população na separação do lixo subiu com regularidade até 2009, manteve-se estável entre 2010 e 2012 e em 2013 registou o valor mínimo dos últimos cinco anos, com 12,8% do total.

O retrato do Ambiente apresentado pelo INE também aponta que, na energia, "quer por alteração dos padrões de consumo, quer pela diminuição da população residente", o consumo final das famílias caiu pelo quinto ano consecutivo, com menos 2,5% na comparação com 2013.

Ao contrário, no total dos setores de atividade económica, o consumo de energia final subiu 6,5%, principalmente baseado no crescimento de 19,4% nos transportes.

O número de veículos em circulação cresceu em 2014 e o INE destaca a subida dos automóveis passageiros ligeiros, com mais 372.167 unidades, correspondendo a 77,5% do total das entradas no parque de ligeiros e pesados.

Lusa

  • Depois do Fogo
    23:30

    Reportagem Especial

    Foi o incêndio mais mortífero de que há memória. No dia 17 de junho, as chamas apanharam desprevenidos moradores de vários concelhos e fizeram pelo menos 64 mortos. O incêndio prolongou-se durante vários dias deixando um rasto de histórias de perda e de sobrevivência, mas também de solidariedade de um sem número de pessoas anónimas.

  • "A menina agora volta para casa. Nós não." 

    Foi o desabafo do Cesário que me fez escrever qualquer coisa sobre o que vivi na última semana. Eram dez e pouco da noite, tinha acabado a vigília de homenagem às vítimas em Figueiró dos Vinhos e ele ainda tinha na mão um balão branco que àquela hora já só estava meio cheio. Era o último dia de uma longa e dura jornada de trabalho e estávamos a arrumar as coisas para no dia seguinte regressarmos a Lisboa.

    Débora Henriques

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24

    País

    Pedrógão Grande fez reviver o drama vivido pelas gentes da Serra do Caldeirão no verão de 2012. Falta de bombeiros, moradores retirados à força, casas e floresta destruídas são semelhanças que encontram nestes dramas separados por cinco anos.

  • Novo avião da TAP com pintura retro
    0:36

    Economia

    O novo avião da TAP chama-se "Portugal", tem uma pintura retro e vai sobrevoar os céus do pais a partir desta segunda-feira. A companhia aérea explica que o nome e a pintura são uma forma de homenagear a ligação histórica entre a empresa e o país.