sicnot

Perfil

País

Mulheres ocupavam 9% dos cargos executivos em Portugal em 2014

As mulheres ocupavam 9% dos cargos executivos em Portugal em 2014, verificando-se um aumento de um ponto percentual face ao ano anterior, mas uma redução relativamente a 2012, revela um estudo do Instituto Europeu para a Igualdade de Género (EIGE).

© Tim Wimborne / Reuters

O estudo "Igualdade de Género no Poder e Tomada de Decisão", que foi realizado entre 2003 e 2014, pretendeu monitorizar o progresso dos Estados-membros da União Europeia em termos de Igualdade de Género, no que concerne ao poder e à tomada de decisão

Segundo o estudo do EIGE (sigla em inglês), as mulheres representam atualmente 21% dos cargos não executivos na UE e 13% dos cargos executivos.

Na maioria dos Estados-Membros, a representação das mulheres nos cargos não executivos tem sido maior do que nos executivos entre 2012 e 2014, à exceção de nove países (República Checa, Estónia, Grécia, Croácia, Chipre, Hungria, Malta, Portugal, Roménia) nos quais, num ou mais ano, as mulheres estavam melhor representadas entre os executivos.

Em 2012, as mulheres ocupavam 10% dos cargos executivos em Portugal, número que desceu para 8% em 2013 e voltou a subir para 9% em 2014.

Relativamente aos cargos não executivos, em 2012 estes eram ocupados por mulheres em 7% dos casos, peso que subiu para 10% no ano seguinte e se manteve em 2014.

Relativamente à representação das mulheres e dos homens em altos cargos judiciais, o estudo refere que em Portugal, Espanha e Reino Unido as mulheres estão praticamente ausentes nestes lugares (menos de 15%).

As mulheres e os homens estão igualmente representados nestes cargos em seis países da União Europeia (França, Croácia, Letónia, Luxemburgo, Hungria, Eslováquia), mas na Bulgária e na Roménia estes lugares são ocupados maioritariamente por mulheres (mais de 60%).

O estudo, divulgado no site da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG), conclui que, apesar do envolvimento político e dos esforços para reduzir as desigualdades de género, as mulheres ainda enfrentam desafios injustos nas suas vidas, como acontece nos processos de tomada de decisão em que estão sub-representadas em várias posições de liderança a nível político e económico, em vários países da União Europeia.

De acordo com o estudo, os homens dominam os bancos centrais, os ministérios das finanças e as salas de reuniões em toda a Europa com apenas um em cada 25 lugares de topo a ser ocupado por uma mulher.

Lusa

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.