sicnot

Perfil

País

Trânsito cortado na Marginal de Cascais para remoção de baleia morta

O trânsito na avenida Marginal de Cascais, entre Carcavelos e a Parede, está interrompido desde as 17:00 para as autoridades poderem remover uma baleia morta que deu à costa no sábado, informou a Câmara.

SIC

Segundo a autarquia, a Autoridade Marítima vai remover a carcaça de "uma baleia-comum, ainda juvenil, com oito a 10 metros de comprimento" que, depois de ter andado à deriva, deu à costa na tarde de sábado junto à praia da Parede. O corpo encontra-se ainda na enseada do Hospital de Sant'Ana.

Para se realizarem as operações, que contam com o apoio da Proteção Civil Municipal, da Cascais Ambiente, da Cascais Próxima e da Polícia Municipal, a Avenida Marginal vai estar cortada ao trânsito, nos dois sentidos, até às 24:00.

O trânsito estará interrompido no troço entre a rotunda da Avenida Jorge V (em frente à praia de Carcavelos) e os semáforos da Parede.

A circulação automóvel será desviada para o interior de Carcavelos e Parede.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.