sicnot

Perfil

País

Empresas açorianas aconselhadas a avisar turistas sobre agravamento do tempo

O Governo Regional dos Açores aconselhou esta quinta-feira as empresas do setor turístico a alertarem os turistas para o agravamento do estado do tempo no arquipélago devido à aproximação do furação 'Alex'.

SIC

A comunicação do executivo açoriano foi remetida às unidades de hotelaria tradicional, de turismo em espaço rural e empresas de animação turística de aluguer de automóveis, adianta uma nota do gabinete de apoio à comunicação social do executivo regional.

Tendo em conta a previsão de ventos fortes e chuva intensa, a Secretaria Regional do Turismo e Transportes solicitou "a melhor colaboração de todas as empresas do setor para garantir a segurança dos turistas, transmitindo-lhes, nomeadamente, a informação de que está encerrada toda a rede de trilhos homologados dos grupos central e oriental e que não devem deslocar-se para zonas costeiras e zonas altas".

O grupo central do arquipélago dos Açores é constituído pelas ilhas Terceira, Graciosa, São Jorge, Faial e Pico, enquanto o grupo oriental por São Miguel e Santa Maria.

O executivo açoriano chama ainda a atenção no comunicado para a necessidade de uma redobrada atenção na condução e para se evitar ainda a realização de atividades de ar livre.

Já durante a tarde, o mesmo gabinete informou que foi encerrado o acesso à montanha do Pico, o ponto mais alto de Portugal, assim como a centros ambientais e reservas florestais.

Foi também determinado "o encerramento preventivo, pela sua maior exposição e risco para a segurança, da Casa da Montanha e da Gruta das Torres, na ilha do Pico, do Centro de Interpretação do Vulcão dos Capelinhos, no Faial, e da Furna do Enxofre, na Graciosa".

O documento adianta que "o acesso público ao Monte Brasil, na ilha Terceira, também vai estar encerrado durante o dia de sexta-feira", aconselhando a Direção Regional dos Recursos Florestais que "seja evitada a visita às reservas florestais de recreio não vedadas das ilhas dos grupos central e oriental", locais muito procurados por turistas.

O furacão 'Alex' estava a 560 quilómetros a sul do Faial, Açores, às 20:00 locais (mais uma hora em Lisboa) e a deslocar-se a uma velocidade de 37 quilómetros/hora, informou a meteorologista Vanda Costa.

"Às 20:00 locais, o furacão estava a 560 quilómetros a sul do Faial, mantendo a mesma direção norte-nordeste, a uma velocidade de 37 kms/hora, prevendo-se que os efeitos comecem a ser sentidos a partir das 23:00 (hora local) nos grupos central e oriental do arquipélago", adiantou à agência Lusa Vanda Costa, da delegação regional dos Açores do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Segundo a meteorologista, "durante a manhã de sexta-feira, o centro do furacão vai passar sobre as ilhas do grupo central, mas não é possível prever qual a ilha que será mais afetada, dado que, como todas as previsões, há sempre um grau de incerteza sobre a sua direção".

Estes dois grupos do arquipélago dos Açores estão sob aviso vermelho para vento, agitação marítima e chuva.

O furacão 'Alex' é o primeiro fenómeno meteorológico desta natureza a acontecer no mês de janeiro em quase 80 anos, de acordo com meteorologistas norte-americanos.

Lusa

  • Açores sob aviso vermelho devido ao furacão "Alex"
    2:02

    País

    Os Açores estão sob aviso vermelho. O Alex já não é um ciclone, é agora um furacão de grau um. A intempérie aumentou a intensidade e vai atingir especialmente o grupo central dos Açores. O presidente do Serviço Regional da Proteção Civil e Bombeiros dos Açores (SRPCBA) disse hoje que todas as corporações dos grupos central e oriental estão de prevenção, deixando um alerta sobretudo para a agitação marítima na madrugada.

  • Especialista explica o que está em causa com a passagem do furacão "Alex"
    1:29

    País

    Pela altura do ano em que acontece e pelas condições em que se formou, este é um fenónemo invulgar que os peritos estão também naturalmente a acompanhar com atenção e interesse. O professor Pedro Miranda, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, explicou esta quinta-feira as caraterísticas que tornam o furacão 'Alex' diferente e o perigo real que deve começar a sentir-se nos Açores.

  • Atentados na Catalunha estão relacionados, 14 mortos

    Ataque em Barcelona

    Uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Espanha, depois do atentado de ontem que fez 13 mortos em Barcelona. As operações de busca centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "Nas Ramblas, é como se nada tivesse acontecido"
    1:35

    Ataque em Barcelona

    Um atentado terrorista em Barcelona matou 13 pessoas e feriu cerca de 100. O ataque aconteceu na zona das Ramblas, quando uma carrinha avançou sobre quem circulava nessa grande via no centro da capital da Catalunha. O repórter Emanuel Nunes está em Barcelona e deu conta do regresso à normalidade nas Ramblas, logo às primeiras horas da manhã.

  • Barcelona abalada pelo terrorismo
    1:03
  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.