sicnot

Perfil

País

GNR continua a procurar suspeito de ter matado ex-companheira no Barreiro

O homem suspeito de ter matado a sua ex-companheira na segunda-feira com um tiro, no Barreiro, continua a ser procurado pelas autoridades, disse à hoje Lusa fonte da GNR.

(SIC/ Arquivo)

(SIC/ Arquivo)

"Até ao momento o suspeito ainda não foi localizado. Continuam a decorrer diligências para o encontrar", referiu.

Segundo a mesma fonte, as autoridades realizaram hoje diversas buscas na zona recorrendo a equipas cinotécnicas, cavalos nas zonas mais arborizadas e diversas patrulhas.

O suspeito terá disparado um tiro na cabeça da sua ex-companheira em plena via pública, na tarde de segunda-feira, em Palhais, colocando-se depois em fuga.

O crime ocorreu na rua das Caravelas, na Quinta São João Norte, perto de um infantário que existe no local, e na sua origem terá estado o processo de divórcio, que não era aceite pelo suspeito.

No local esteve presente a GNR, a Polícia Judiciária e os Bombeiros do Barreiro.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.