sicnot

Perfil

País

Governo prevê investir 28 milhões de euros na "integridade da costa" portuguesa

O ministro do Ambiente anunciou hoje que o Governo vai investir 28 milhões de euros na "integridade da linha de costa", nomeadamente na consolidação de arribas, no recarregamento de praias com areia e na conservação do cordão dunar.

Francisco Seco

"As obras de manutenção da integridade da linha de costa serão concretizadas através de fundos comunitários, cujas candidaturas vão ser feitas até ao final deste mês, início de fevereiro", disse à agência Lusa Matos Fernandes, à margem da cerimónia da apresentação das obras de requalificação da praia das Furnas, em Vila Nova de Milfontes, no concelho de Odemira.

Segundo o ministro do Ambiente, "está posta de parte a construção de esporões, na certeza de que haverá alguns que terão de ser reabilitados, mas o objetivo é, sobretudo, intervir na consolidação das arribas, no recarregamento de praias com areias e na manutenção do cordão dunar".

"Esse conjunto de obras perfaz 28 milhões de euros e alguns desses investimentos começarão a ser visíveis ainda este ano", enfatizou.

O governante considerou que o mais importante nesse investimento é Portugal passar a ter um sistema de monitorização do litoral costeiro para que, num período de quatro anos, seja possível conhecer ainda melhor as dinâmicas costeiras.

"Queremos ter, de uma vez por todas, um sistema de monitorização do qual já houve vários começos e nenhum fim", frisou.

Segundo Matos Fernandes, a erosão costeira entre Caminha e Vila Real de Santo António "é um problema que nenhum Governo poderá resolver em definitivo".

Contudo, assegurou, será feito um esforço contínuo para garantir a integridade do litoral.

"Não será possível transformar a fragilidade de litoral. Em alguns sítios terá de haver uma estratégia de recuo, zonas de densidade urbana vão ter que ter uma estratégia mais dura de proteção de pessoas e bens", admitiu.

Na opinião de Matos Fernandes, nas zonas a sul da Figueira da Foz e em Esposende a monitorização permanente é indispensável, porque "a cada ano que passa se vê aquilo que é, de facto, o recuo da terra face ao mar".

"Não havendo funções mágicas, elas passam sobretudo por garantir e reforçar o cordão dunar e repor areia nas praias, de forma a garantir a segurança das pessoas", destacou.

Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.