sicnot

Perfil

País

Problemas com recenseamento impedem emigrantes de votar no Luxemburgo

Os emigrantes portugueses começaram hoje a votar nos Consulados, que vão estar abertos durante dois dias para as eleições presidenciais, mas no Luxemburgo houve muitos que não o fizeram, por não constarem dos cadernos eleitorais.

Carlos Gomes apanhou o comboio em Dudelange, a 25 quilómetros do Luxemburgo, e pagou mais dez euros pelo táxi que o levou da estação até ao Consulado, porque "tinha medo que fechasse à hora de almoço", mas afinal não pôde votar.

O problema, explicou-lhe um funcionário, é que fez o cartão de cidadão em Portugal e o nome foi excluído dos cadernos eleitorais no estrangeiro. Apesar de viver há 28 anos no Luxemburgo, neste acto eleitoral, teria de ir votar a Mortágua.

"Tivemos pessoas que fizeram o cartão de cidadão em Portugal e deixaram de estar recensadas aqui, e lá também não as informaram", explicou à Lusa o cônsul de Portugal no Luxemburgo, Rui Monteiro.

"Lá sempre votei, e aqui também já votei e pensei que estava inscrito. Fiz o passaporte novo aqui no Consulado, e agora vinha para dar a minha opinião, mas afinal...", queixou-se o operário da construção.

Na mesa de voto, um dos voluntários diz-lhe que "se houver segunda volta, pode vir votar", se até lá alterar a morada no Consulado, uma informação que um funcionário corrigiu, esclarecendo que os cadernos eleitorais fecharam 60 dias antes das eleições.

Sem perceber se afinal pode ou não votar, o emigrante dá a volta a um maço de papéis amarrotados, escritos com a letra hesitante de quem só fez a quarta classe, à procura da morada do quarto para onde vai mudar no final do mês, quando o café português onde vive fechar para obras, mas é inútil.

Não foi caso único: esta manhã, em pouco mais de uma hora, pelo menos sete emigrantes foram impedidos de votar.

Maria do Carmo Dias veio com o marido, ambos a viver no Luxemburgo há mais de 40 anos, mas só ele é que pôde votar.

"Fiz o bilhete de identidade em Portugal e fiquei sem poder votar, mas nós temos a morada do Luxemburgo no cartão de eleitor. Por que é que modificam as coisas sem nos dizerem nada?", criticou.

Cremilde Gouveia tem 66 anos, e tanto ela como o marido já votaram várias vezes no Luxemburgo, mas hoje nenhum pôde fazê-lo.

"Apanhámos aí com uma bofetada, foi aborrecido. Isto é tudo falta de informação, nem sequer nos avisam, até para saber como se vota ouvimos na rádio Latina", contou.

"Cada vez temos mais desgosto em ser portugueses", queixou-se Guilherme Ferreira, de 68 anos, que também renovou o BI em Portugal há pouco tempo, "então com a informática era assim tão difícil votar aqui ou lá em baixo?".

"Nós estamos na Europa, não há fronteiras, devíamos poder votar nos dois países", lamentou.

Denisa Lopes chegou ao Luxemburgo em Setembro, destacada por um ano no Tribunal de Justiça da União Europeia, e já não foi a tempo de se recensear para as legislativas, em Outubro, mas hoje conseguiu votar. "Para quem está em trânsito é complicado, por causa do prazo de 60 dias, mas hoje consegui".

Ao final da manhã, dos 2.027 eleitores recenseados no Luxemburgo, tinham votado cerca de 80 pessoas, uma afluência que excedeu as expectativas dos funcionários consulares.

Na sexta-feira, parte do país esteve sob alerta vermelho, por causa do gelo nas estradas.

De chapéu de feltro, cachecol e luvas, Natalina Alves, com 86 anos, votou pela primeira vez no estrangeiro, desde que há um ano deixou Portugal para vir viver com as filhas.

"É a mesma coisa, só que lá junta-se mais gente e há fila, aqui foi mais fácil", elogiou. "Acho que devia vir toda a gente, devia ser obrigatório".

Uassan Gomes nasceu na Guiné-Bissau, chegou a Portugal em 2000, onde se naturalizou, e fez questão de ir votar, mesmo depois de ter saído do país para escapar à crise, em 2013.

"Sinto-me português. A minha nacionalidade é portuguesa e eu tenho este dever, é muito importante", disse o pintor da construção à Lusa.

À porta do Consulado, enquanto os filhos brincam com a neve, Carlos Torres pede a outra eleitora que lhe tire uma fotografia com o telemóvel, "para pôr no Facebook".

"É para os chatear lá em Portugal, para mostrar que já votei antes deles, porque eles só vão votar amanhã".

No Luxemburgo vivem cerca de 100 mil portugueses, 74.797 dos quais com mais de 18 anos, segundo o Registo da População.

Lusa

  • Microempreendedores de Lisboa dão a Portugal Prémio Europeu

    Economia

    Projecto nacional foi o grande vencedor de iniciativa anual patrocinada pela Comissão Europeia e que procura dar mostras de boas práticas no apoio aos pequenos negócios. Esta quinta-feira à noite, no Luxemburgo, na cerimónia em que foram considerados como o melhor dos exemplos do ano, entre as dezenas de candidaturas apresentadas pelos 28, o Presidente do IAPMEI confessou ter sentido que este era mesmo o ano de Portugal.

  • Pedrógão e o Governo das culpas dos outros

    Opinião

    Depois das revelações do ‘Expresso’ e do ‘i’, o primeiro-ministro e os ministros saíram à rua com uma estratégia muito bem definida: desmentir a existência de listas secretas e centrar as atenções no Ministério Público. Ao mesmo tempo, nas redes sociais, está em curso (mais) uma campanha contra os jornalistas. Os anónimos, com cartão de militante, que escrevem nessas páginas acusam os jornais das “mais rebuscadas teorias da conspiração”. Nada de novo portanto.

    Bernardo Ferrão

  • "A verdadeira questão são as imagens com que abrimos o Jornal, é um país que está a arder"
    2:52

    Opinião

    A polémica em torno do número de vítimas da tragédia de Pedrógão Grande esteve em análise no Jornal da Noite. Miguel Sousa Tavares diz não compreender "que se faça disto uma questão política" e reitera que o foco deve centrar-se nas imagens de "um país que está a arder". O comentador SIC afirma ainda que "64 mortos num incêndio é um escândalo, um número absurdo".

    Miguel Sousa Tavares

  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • Quase mil bombeiros combatem chamas na Sertã
    1:37

    País

    O incêndio que deflagrou no domingo, na Sertã, concelho de Castelo Branco, ainda não foi extinto. Perto de mil homens combatem as chamas no terreno, apoiados por 10 meios aéreos. O fogo tem frentes em Mação e Proença-a-Nova.

  • Proteção Civil acusada de gestão errática no incêndio de Mação
    1:26

    País

    O comandante dos Bombeiros de Constância e o vice-Presidente da Liga dos Bombeiros acusam a Proteção Civil de desviar meios do fogo de Mação, em Santarém, que eram essenciais para travar o incêndio. As chamas desceram da Sertã e acabaram por queimar uma casa de habitação.

  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24
  • "A Minha Outra Pátria": o drama da Venezuela no Jornal da Noite
    2:12
  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC

  • Bebé Charlie Grad já não vai receber tratamento nos EUA

    Mundo

    A mãe de Charlie Grad disse esta segunda-feira que o bebé poderia ter vivido uma vida normal, caso tivesse começado a receber tratamento cedo. Já o pai admitiu que o filho não iria viver até ao primeiro aniversário. O bebé foi diagnosticado com uma doença rara e um hospital em Inglaterra pediu permissão para desligar a ventilação artificial e fornecer-lhe cuidados paliativos. O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos aceitou e, até hoje, os pais travaram uma batalha na Justiça para suspender a decisão na esperança de irem tratar o filho nos Estados Unidos da América.