sicnot

Perfil

País

Ministério Público abre inquérito a morte de aluna em escola de Sintra

O Ministério Público decidiu abrir um inquérito para esclarecer as circunstâncias em que morreu uma aluna de uma escola de Monte Abraão, Sintra, após desmaiar no estabelecimento de ensino, confirmou hoje fonte oficial da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Segundo a mesma fonte da PGR, "confirma-se a instauração de um inquérito, no passado dia 29 de janeiro, para averiguar as circunstâncias em que ocorreu a morte" de uma aluna de 11 anos, da Escola Básica 2,3 D. Pedro IV, do agrupamento de escolas Miguel Torga, em Monte Abraão.

A estudante da escola de Monte Abraão morreu ao final da tarde de quinta-feira, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde deu entrada após ter sido encontrada inconsciente no estabelecimento de ensino no início da semana.

Na sexta-feira à noite, a direção clínica dos Centros Hospitalares de Lisboa Norte (CHLN) revelou que a estudante sofreu uma paragem cardíaca que evoluiu para morte cerebral e que "não havia qualquer sinal de trauma, nem foi esta a causa de morte".

A direção clínica dos CHLN explicou que a aluna "foi vítima de paragem cardíaca na sua escola" e a situação "evoluiu para morte cerebral devido ao tempo prolongado de paragem cardíaca".

No mesmo comunicado, a direção clínica do centro hospitalar informou que "foi pedida autópsia médico-legal para melhor esclarecimento da causa de morte".

A direção da escola esclareceu, em comunicado, que a aluna morreu "na sequência de um acontecimento repentino ocorrido na escola, durante o primeiro intervalo da tarde de segunda-feira".

O Ministério da Educação informou que a aluna teve assistência médica ainda na escola e foi transportada de urgência para o Hospital de Santa Maria, onde permaneceu em coma na unidade de cuidados intensivos.

Uma nota do gabinete do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, lamentou a morte da aluna do sexto ano, acrescentando que "a turma e a família estão a ser acompanhadas pelos órgãos da escola", incluindo a psicóloga do agrupamento.

O gabinete de comunicação do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) disse à Lusa que o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) recebeu, às 15:09, um pedido de socorro para uma aluna que tinha desmaiado.

A pessoa que ligou através do 112 "não se encontrava junto da vítima", mas informou que a estudante deitava "sangue pela boca".

A operadora conseguiu posteriormente confirmar que a estudante "estava em paragem cardiorrespiratória, sendo iniciadas manobras de suporte básico de vida" por um funcionário da escola, informou o INEM.

A partir da triagem clínica efetuada, foram acionadas para o local, às 15:14, uma ambulância de socorro dos Bombeiros Voluntários de Queluz e, às 15:15, a viatura médica de emergência e reanimação (VMER) do Hospital S. Francisco Xavier.

Segundo o INEM, a tripulação da VMER informou às 15:50 o CODU de que, à sua chegada, os bombeiros de Queluz "encontravam-se a realizar manobras de reanimação, tendo iniciado manobras de suporte avançado de vida, que permitiram reverter a situação de paragem cardiorrespiratória".

Após ser "entubada e ventilada", a jovem foi transportada para o Hospital de Santa Maria.

Lusa

  • Um homem de 83 anos é a 42.ª vítima dos incêndios
    1:27

    País

    Subiu para 42 o número de vítimas mortais nos incêndios deste domingo. Um homem de 83 anos foi encontrado sem vida em Lugar de Covelo, em Vouzela. O número de feridos mantém-se, 14 estão em estado grave. A maior parte das mortes aconteceu no distrito de Coimbra (20) e Viseu (19). Segundo a Proteção Civil, já não há desaparecidos. Sete pessoas estavam dadas como desaparecidas e apenas uma foi encontrada sem vida. Um bebé de poucos meses tinha sido dado como morto, mas foi encontrado com vida.

  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08