sicnot

Perfil

País

Três em cada quatro menores nem sempre dormem o suficiente

Um estudo da Universidade do Minho concluiu que 72% dos menores dormem sete a nove horas por noite, o que "nem sempre é suficiente" e pode estar associado a sintomas como desmotivação, ansiedade ou obesidade, revelou a instituição minhota.

Arquivo

Arquivo

Reuters

Em comunicado enviado hoje à agência Lusa, a Universidade do Minho (UMinho) adianta que a investigação, envolvendo meio milhar de alunos com idades entre os 9 e os 17 anos e que esteve a cargo da investigadora Olinda Oliveira, concluiu ainda que a presença de aparelhos multimédia no quarto é "um dos fatores que mais retarda a hora de deitar".

Segundo revela o estudo, "Influência da Qualidade do Sono na Saúde, no Comportamento e na Aprendizagem Escolar de Alunos de 2.º e 3.º Ciclos do Ensino Básico", mais de sete em cada dez inquiridos afirmaram ter televisão no quarto, seguindo-se do computador, aparelho de música e internet (55,8%) e o meio rural "favorece" períodos de descanso mais longos.

"A necessidade cada vez maior de privacidade por parte das crianças e adolescentes leva os pais a colocarem vários aparelhos eletrónicos nos quartos dos filhos, propiciando hábitos de sono pouco saudáveis", refere a autora, professora do ensino básico.

O estudo, que cita a Fundação Nacional do Sono dos EUA, revela que "os alunos com quatro ou mais itens eletrónicos nos quartos têm quase o dobro da probabilidade de adormecer na escola e/ou enquanto fazem os trabalhos de casa".

Os resultados mostram que mais de metade dos 502 inquiridos admite sentir, "às vezes", distração havendo ainda outros sintomas que mesmo não sendo manifestados pela maioria surgem com alguma frequência: mudanças de humor (198), ansiedade (195), bocejo constante (185), agitação (166), desmotivação (160), olheiras (141), irritabilidade (129), pequenos acidentes (118), muita tristeza (114) e fadiga muscular (100).

A investigação aponta ainda que o local de residência pode igualmente influenciar a qualidade do sono dos estudantes sendo eu aqueles que vivem em meios rurais tendem a ter períodos de sono mais tranquilos e deitam-se mais cedo durante a semana (21.00-22.00) e ao fim de semana (23.00-24.00).

"Esta mudança nos padrões do sono que pode ter efeitos negativos nos processos de desenvolvimento, no progresso psicossocial e na performance académica dos mais novos", esclarece Olinda Oliveira.

Lusa

  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.