sicnot

Perfil

País

Mais de 6 mil mulheres em Portugal submetidas a Mutilação Genital Feminina

Mais de seis mil mulheres, com mais de 15 anos, residentes em Portugal, foram submetidas a alguma forma de Mutilação Genital Feminina (MGF), indica o primeiro estudo no país sobre prevalência da MGF em território nacional.

© SIPHIWE SIBEKO / Reuters

Destas 6.576 mulheres, a maioria - 5.974 - pertence à comunidade imigrante da Guiné-Bissau, a que tem maior representação em território nacional, disse à agência Lusa Dalila Cerejo, uma das coordenadoras do estudo, por ocasião do dia internacional de tolerância zero à mutilação genital feminina, que se assinala no sábado.

Seguem-se a Guiné-Conacri (163), o Senegal (111) e o Egito (55), as comunidades de países praticantes de MGF mais representadas em Portugal, de acordo com o trabalho, que durou um ano e começou em março de 2014.

No grupo etário entre os zero e os 14 anos, o trabalho encontrou 1.830 meninas, nascidas em países praticantes ou filhas de mães de países praticantes, que já foram ou serão submetidas à prática de MGF, afirmou.

A maior parte dos inquiridos - 87 mulheres e 37 homens - considerou a prática da MGF negativa, afirmando não pretender submeter as filhas ao processo, que normalmente e na maioria dos casos é realizado nos países de origem.

A socióloga explicou que "há um efeito da imigração em Portugal, uma diminuição da necessidade da prática de MGF quando estas comunidades" estão no país, "o que é importante para a erradicação" da MGF.

Nos países de origem, as meninas que não sujeitas à MGF são rejeitadas pelas comunidades por serem consideradas impuras, "o que significa que não vão conseguir ser aceites por um homem, formar uma família", disse.

"A prática assenta em mitos, como o aumento da fertilidade da mulher, facilitar a higiene da mulher, ou ser vantajosa por diminuir a infidelidade da mulher e aumentar o prazer sexual do homem. A MGF é praticada no sentido de adaptar a mulher à relação com o homem, em comunidades com uma ideologia patriarcal muito vincada", explicou Dalila Cerejo.

A MGF é "um dos tipos de violência contra a mulher, praticada em mulheres simplesmente por serem mulheres, por depender delas um certo grau de apoio, em todas as esferas, ao homem", disse.

"Não há dúvidas que o homem pode ser um ator fundamental na batalha da erradicação da MGF", sublinhou.

"Alguns homens jovens entrevistados estão já muito atentos à situação e afirmaram que não se casariam com uma mulher submetida a MGF. Ou seja, há um rompimento com a prática, mas também uma revitimização das mulheres", acrescentou.

Por outro lado, nas comunidades islamizadas estabelece-se uma relação direta entre MGF e religião, apesar de o Alcorão não determinar a prática, disse a investigadora.

Além da proteção das vítimas, o estudo recomenda um reforço da prevenção com trabalho em rede, concertado e com estratégias comuns, com mais campanhas de sensibilização, que envolvam de forma ativa os homens das comunidades imigrantes.

Estas campanhas devem também ser reforçadas no período da Páscoa, já que os "dados existentes apontam para que, neste período, familiares acompanhem as meninas aos países de origem, onde são submetidas à prática de MGF", sublinhou Dalila Cerejo.

O estudo recomenda a criação de serviços de apoio especializado para as vítimas e, na área da formação, a realização de ações contínuas para profissionais da saúde, educação, polícia, e lembra a necessidade de identificação e registo dos casos na Plataforma de Dados da Saúde (PDS) da Direção-geral de Saúde.

É também importante realizar projetos de investigação para perceber a que esta associada a prática da MGF em países não islamizados como Moçambique, Peru e Colômbia.

A mutilação genital feminina consiste na remoção parcial ou total dos órgãos genitais externos femininos (clitóris, pequenos e grandes lábios) e causa lesões físicas e psíquicas graves e permanentes, como hemorragias, infeções, infertilidade e morte.

Estima-se que 140 milhões de mulheres em todo o mundo sejam mutiladas e que três milhões de meninas estejam em risco anualmente.

A prática é mantida sobretudo em três dezenas de países africanos.

Lusa

  • Autarca e duas jornalistas mortas a tiro na Finlândia 

    Mundo

    A presidente da Câmara de Imatra, na Finlândia, e duas jornalistas foram mortas a tiro na noite passada, na pequena cidade do sudeste do país. O incidente aconteceu junto a um restaurante e a polícia chegou ao local pouco depois dos disparos. Um suspeito de 23 anos já foi detido.

  • Avião da Qatar Airways aterra de emergência nas Lajes
    0:47

    País

    Aterrou de emergência nos Açores, esta manhã, um avião da Qatar Airways. A turbulência obrigou à manobra que causou pelo menos 10 feridos nos passageiro do avião que fazia ligação de Washington para Doha, capital do Qatar, e foi desviado para a base aérea das Lajes.

  • Óscar do turismo para empresa que gere património de Sintra
    1:51

    Cultura

    A Parques de Sintra ganhou, pelo quarto ano consecutivo, os World Travel Awards na categoria de "Melhor Empresa de Conservação do Mundo". A empresa portuguesa, que gere monumentos, parques e jardins situados na zona da Paisagem Cultural de Sintra e em Queluz, voltou a ser a única nomeada europeia na categoria, e foi a vencedora entre candidatos de todo o mundo.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.