sicnot

Perfil

País

Autoridade Marítima emite aviso para que população se afaste da costa

A agitação marítima fechou já sete barras marítimas no continente, sendo esperada ondulação que pode atingir os 12 metros, o que levou hoje a Autoridade Marítima Nacional a pedir que as pessoas se afastem da linha da costa.

© Stephane Mahe / Reuters

Em declarações à agência Lusa, o porta-voz da Autoridade Marítima Nacional (AMN) referiu que há um aviso de mau tempo para toda a costa ocidental e que neste momento há sete barras marítimas fechadas a toda a navegação - Caminha, Esposende, Póvoa do Varzim, Vila do Conde, Figueira da Foz e Douro.

"A barra de Aveiro está condicionada e tudo isso é fruto da forte agitação marítima que neste momento se está a sentir", apontou Paulo Vicente.

De acordo com o responsável, a ondulação está neste momento com cinco a seis metros de altura, sendo expectável que a situação piore nas próximas 24 horas e a ondulação atinja os 12 metros a partir da manhã de domingo e até ao final da tarde.

Dadas as condições do mar e o agravamento que se espera do estado do tempo, Paulo Vicente pede a que todos aqueles que têm no mar a sua atividade profissional ou de recreio uma "cultura de segurança marítima", respeitando os avisos de mau tempo, bem como os condicionamentos e as interdições à navegação.

O conselho alarga-se a todos os cidadãos, dado que ultimamente têm-se registado alguns acidentes por causa de quem procura o melhor enquadramento para a uma fotografia do mar.

"Apelamos e avisamos todas as pessoas para se manterem longe da linha marítima, porque realmente a ondulação vai ser forte e tem que se manter uma distância segura para que não haja acidentes. É essa a nossa recomendação", disse Paulo Vicente.

O responsável disse ainda que a costa ocidental será a mais afetada, já que está ondulação de noroeste/oeste, e que o agravamento do estado do tempo pode vir a obrigar a fechar mais barras marítimas, caso seja o entendimento da autoridade marítima local.

Lusa

  • Águeda enfrenta maiores cheias dos últimos anos
    2:14

    País

    A cidade de Águeda enfrenta, de facto, as maiores cheias dos últimos anos. Mas, apesar de ser o exemplo mais flagrante, não é caso único no País. A Autoridade Nacional da Proteção Civil registou entre as 00:00 de sexta-feira e as 00:00 de sábado 458 ocorrências, de Norte a Sul.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.