sicnot

Perfil

País

Autoridade Marítima emite aviso para que população se afaste da costa

A agitação marítima fechou já sete barras marítimas no continente, sendo esperada ondulação que pode atingir os 12 metros, o que levou hoje a Autoridade Marítima Nacional a pedir que as pessoas se afastem da linha da costa.

© Stephane Mahe / Reuters

Em declarações à agência Lusa, o porta-voz da Autoridade Marítima Nacional (AMN) referiu que há um aviso de mau tempo para toda a costa ocidental e que neste momento há sete barras marítimas fechadas a toda a navegação - Caminha, Esposende, Póvoa do Varzim, Vila do Conde, Figueira da Foz e Douro.

"A barra de Aveiro está condicionada e tudo isso é fruto da forte agitação marítima que neste momento se está a sentir", apontou Paulo Vicente.

De acordo com o responsável, a ondulação está neste momento com cinco a seis metros de altura, sendo expectável que a situação piore nas próximas 24 horas e a ondulação atinja os 12 metros a partir da manhã de domingo e até ao final da tarde.

Dadas as condições do mar e o agravamento que se espera do estado do tempo, Paulo Vicente pede a que todos aqueles que têm no mar a sua atividade profissional ou de recreio uma "cultura de segurança marítima", respeitando os avisos de mau tempo, bem como os condicionamentos e as interdições à navegação.

O conselho alarga-se a todos os cidadãos, dado que ultimamente têm-se registado alguns acidentes por causa de quem procura o melhor enquadramento para a uma fotografia do mar.

"Apelamos e avisamos todas as pessoas para se manterem longe da linha marítima, porque realmente a ondulação vai ser forte e tem que se manter uma distância segura para que não haja acidentes. É essa a nossa recomendação", disse Paulo Vicente.

O responsável disse ainda que a costa ocidental será a mais afetada, já que está ondulação de noroeste/oeste, e que o agravamento do estado do tempo pode vir a obrigar a fechar mais barras marítimas, caso seja o entendimento da autoridade marítima local.

Lusa

  • Águeda enfrenta maiores cheias dos últimos anos
    2:14

    País

    A cidade de Águeda enfrenta, de facto, as maiores cheias dos últimos anos. Mas, apesar de ser o exemplo mais flagrante, não é caso único no País. A Autoridade Nacional da Proteção Civil registou entre as 00:00 de sexta-feira e as 00:00 de sábado 458 ocorrências, de Norte a Sul.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59