sicnot

Perfil

País

Onze distritos sob aviso amarelo devido ao frio

Onze distritos de Portugal continental vão estar hoje sob Aviso Amarelo devido ao tempo frio, com persistência de valores baixos de temperatura mínima, de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Segundo o IPMA, os distritos de Bragança, Viseu, Évora, Porto, Guarda, Vila Real, Castelo Branco, Aveiro, Coimbra, Portalegre e Braga vão estar sob Aviso Amarelo para o tempo frio, aviso que irá vigorar entre as 21:00 de hoje e as 09:00 de sexta-feira.

O Aviso Amarelo, o terceiro mais grave de uma escala de quatro, representa uma situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

De acordo com a previsão do IPMA para quarta-feira, as temperaturas mínimas vão rondar os -3 graus Celsius na Guarda e em Bragança, as cidades mais frias do país, onde as máximas não vão além dos 6 e 7 graus, respetivamente, e os sete de mínima em Faro.

Na cidade de Lisboa as temperaturas vão oscilar entre os 4 de mínima e os 14 de máxima, no Porto entre os 4 e os 11, Coimbra entre os 2 e os 12 e em Viseu entre os -1 e os 8.

Em Santarém e em Beja as temperaturas mínimas e máximas vão oscilar entre os dois graus Celsius e os 14, e em Faro os termómetros podem chegar aos 15 de máxima (cinco de mínima).

Lusa

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.