sicnot

Perfil

País

Jornadas Parlamentares do PS arrancam em Vila Real

Arrancam hoje as Jornadas Parlamentares do PS, as primeiras da legistura de António Costa.

JOS\303\211 SENA GOUL\303\203O

Carlos César irá abrir o encontro que decorre até amanhã com o tem " Valorizar o território, relançar a economia".

No evento falarão também perante os deputados do PS os ministros das Finanças (Mário Centeno), da Economia (Manuel Caldeira Cabral), Adjunto do primeiro-ministro (Eduardo Cabrita) e do Planeamento e Infraestruturas (Pedro Marques).

Apesar de as jornadas ocorrerem a poucos dias do início da discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2016, Carlos César advertiu no entanto que as Jornadas Parlamentares do PS "não estarão referenciadas" em termos de aprovação de propostas de alteração ao documento do Governo.

"Não há dúvida que o PS apresentará propostas de alteração ao Orçamento, mas essa reflexão decorrerá no âmbito interno do Grupo Parlamentar - reflexão que é também partilhada com o Governo", especificou o ex-presidente do Governo Regional dos Açores.

Em relação ao Orçamento do Estado para 2016, Carlos César fez antes questão de salientar o caráter "decisivo" do voto dos deputados socialistas, tendo em vista a eventual aprovação de propostas de alteração por parte de outras forças políticas, casos do Bloco de Esquerda, PCP e "os Verdes".

"Portanto, não apenas do acordo do Governo, dependerá também do Grupo Parlamentar do PS a aprovação dessas propostas - e isso está a ser objeto de reflexão. Da parte do PS, renovamos que todas as propostas são boas, independentemente da sua origem. Como tal, se estivermos perante propostas que não adulterem a orientação orçamental, que assegurem alguma neutralidade ao nível de custos e que sejam consonantes com o programa do Governo, avaliaremos essas propostas de forma tendencialmente positiva, sejam do CDS-PP, do PCP ou Bloco de Esquerda", frisou Carlos César.

As Jornadas Parlamentares do PS começam hoje de manhã com visitas de vários grupos de deputados a municípios do distrito de Vila Real, nomeadamente Montalegre, Chaves, Ribeira de Pena, Mondim de Basto, Santa Marta de Penaguião, Murça, Sabrosa, Mesão Frio e Régua.

"A escolha de Vila Real para palco das Jornadas Parlamentares tem um caráter político e foi feita para compreensão e esboço de solução dos problemas da interioridade. Neste caso, a nossa reflexão será feita em conjunto com as instituições locais e regionais. Os convidados de excelência nestas jornadas serão o povo e as instituições de cada um dos municípios deste distrito" de Trás-os-Montes, acentuou o presidente do Grupo Parlamentar do PS.

Com Lusa

  • Primeiro-ministro recusa-se a dizer se Carlos Costa deve abandonar o cargo
    2:59

    Economia

    O primeiro-ministro criticou a atuação do Governador do Banco de Portugal, mas António Costa recusa-se a dizer se Carlos Costa deve ou não abandonar o cargo. O PSD fala numa ingerência grave e vergonhosa do Governo e acusa o Executivo e o PS de quererem tornar-se os "donos disto tudo". O Banco de Portugal veio, entretanto, garantir que antes das declarações do primeiro-ministro já estava marcada uma reunião para discutir o caso dos lesados do BES.

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.