sicnot

Perfil

País

INEM refuta acusações e diz que sempre prestou serviço com "rigor e qualidade exigidos"

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) esclareceu hoje que sempre prestou serviço com "rigor e qualidade exigidos", referindo-se a críticas feitas pelo Conselho Português da Proteção Civil.

inem.pt

inem.pt

O movimento cívico Conselho Português de Proteção Civil manifestou terça-feira preocupação com o socorro prestado à população, afirmando que o INEM funciona frequentemente "sem médico regulador por falta de médicos", nomeadamente em Lisboa.

Em causa está o Centro de Orientação de Doentes Urgentes de Lisboa (CODU), onde, "quando a situação o exige, os técnicos operadores de telecomunicações de emergência contactam um médico do CODU do Porto ou de Coimbra", denunciou aquela organização em comunicado emitido na terça-feira à noite.

O movimento diz que a situação é ainda "mais preocupante" pelo facto de ser no CODU de Lisboa que funciona o CODU -- Mar, onde "deveria estar o médico que devia prestar aconselhamento em situações de emergência médica a bordo de navios".

Em resposta a estas acusações, o INEM garante, num comunicado enviado hoje à agência Lusa, que "sempre prestou este serviço ao longo da sua existência, com rigor e a qualidade exigidos, como se pode confirmar junto de todas as outras entidades oficiais que são sempre envolvidas em eventos deste tipo, nunca tendo ficado por responder qualquer pedido de socorro feito ao CODU Mar".

No comunicado, o INEM sublinha também que o "Conselho Português de Proteção Civil é uma entidade cujo estatuto, missão, valores e funcionamento não são claros e que nunca foi contactado pelo mesmo, nem tem qualquer conhecimento sobre a sua composição ou atividades".

"O INEM responde sempre pela sua atividades com o maior respeito pela população portuguesa e pratica uma política de transparência, competência e de verdade", salienta.

Ainda em relação ao CODU Mar, o INEM esclarece que a atividade é "assegurada pelos médicos, com formação e experiência em emergência médica e que são responsáveis pela coordenação de toda a atividade clínica".

"A atividade do CODU Mar é residual, representando 0,01% da atividade Global do CODU", refere, concluindo que, para uma atividade global de 1.302.958 chamadas recebidas em 2015, apenas 89 foram para o CODU Mar.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.