sicnot

Perfil

País

INEM refuta acusações e diz que sempre prestou serviço com "rigor e qualidade exigidos"

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) esclareceu hoje que sempre prestou serviço com "rigor e qualidade exigidos", referindo-se a críticas feitas pelo Conselho Português da Proteção Civil.

inem.pt

inem.pt

O movimento cívico Conselho Português de Proteção Civil manifestou terça-feira preocupação com o socorro prestado à população, afirmando que o INEM funciona frequentemente "sem médico regulador por falta de médicos", nomeadamente em Lisboa.

Em causa está o Centro de Orientação de Doentes Urgentes de Lisboa (CODU), onde, "quando a situação o exige, os técnicos operadores de telecomunicações de emergência contactam um médico do CODU do Porto ou de Coimbra", denunciou aquela organização em comunicado emitido na terça-feira à noite.

O movimento diz que a situação é ainda "mais preocupante" pelo facto de ser no CODU de Lisboa que funciona o CODU -- Mar, onde "deveria estar o médico que devia prestar aconselhamento em situações de emergência médica a bordo de navios".

Em resposta a estas acusações, o INEM garante, num comunicado enviado hoje à agência Lusa, que "sempre prestou este serviço ao longo da sua existência, com rigor e a qualidade exigidos, como se pode confirmar junto de todas as outras entidades oficiais que são sempre envolvidas em eventos deste tipo, nunca tendo ficado por responder qualquer pedido de socorro feito ao CODU Mar".

No comunicado, o INEM sublinha também que o "Conselho Português de Proteção Civil é uma entidade cujo estatuto, missão, valores e funcionamento não são claros e que nunca foi contactado pelo mesmo, nem tem qualquer conhecimento sobre a sua composição ou atividades".

"O INEM responde sempre pela sua atividades com o maior respeito pela população portuguesa e pratica uma política de transparência, competência e de verdade", salienta.

Ainda em relação ao CODU Mar, o INEM esclarece que a atividade é "assegurada pelos médicos, com formação e experiência em emergência médica e que são responsáveis pela coordenação de toda a atividade clínica".

"A atividade do CODU Mar é residual, representando 0,01% da atividade Global do CODU", refere, concluindo que, para uma atividade global de 1.302.958 chamadas recebidas em 2015, apenas 89 foram para o CODU Mar.

Lusa