sicnot

Perfil

País

Ministério Público diz que vice-presidente de Angola não é arguido na "Operação Fizz"

O Ministério Público anunciou hoje, em comunicado, que o vice-presidente de Angola, Manuel Vicente, não é arguido no âmbito da "Operação Fizz", que levou à prisão o procurador do Ministério Público Orlando Figueira.

O vice-presidente angolano Manuel Vicente

O vice-presidente angolano Manuel Vicente

© Carlo Allegri / Reuters

"Neste momento, o inquérito tem três arguidos constituídos -- uma pessoa coletiva e duas singulares -- não se encontrando entre os mesmos Manuel Vicente", refere o Ministério Público, num comunicado enviado à agência Lusa.

Na quarta-feira, uma fonte ligada ao processo disse à Lusa que o vice-presidente de Angola, Manuel Vicente, está indiciado por corrupção ativa no âmbito deste processo.

As duas pessoas constituídas arguidas no âmbito da "Operação Fizz" são o procurador Orlando Figueira, que hoje ficou preso preventivamente por decisão judicial, e advogado Paulo Blanco, que representou o vice-presidente de Angola na compra de um apartamento no edifício Estoril Sol, em 2012, e cujo escritório de advogacia foi alvo de buscas.

Na nota hoje emitida, a dar conta da medida de coação aplicada ao procurador Orlando Figueira, a Procuradoria-Geral da República adianta que "as investigações prosseguem sob a direção do Ministério Público e com a coadjuvação da PJ, tendo durante o dia de ontem (quarta-feira) sido realizadas novas buscas no âmbito do inquérito".

No comunicado, é ainda referido que os "factos em investigação indiciam suspeitas de prática dos crimes de corrupção passiva na forma agravada, corrupção ativa na forma agravada, branqueamento e falsidade" informática.

O procurador do Ministério Público Orlando Figueira - em licença sem vencimento desde 2012-, foi detido no âmbito da "Operação Fizz", da Polícia Judiciária, por suspeitas de corrupção passiva, branqueamento de capitais e falsidade informática.

Orlando Figueira foi o procurador responsável pelos processos "BES Angola" e "Caso Banif", que arquivou, relacionados com capitais angolanos e, segundo fontes ligadas ao caso, é suspeito de ter favorecido processos em Portugal relacionados com o vice-presidente angolano Manuel Vicente.

Em declarações à Lusa na quarta-feira, Paulo Blanco explicou que os elementos da PJ levaram cópias de declarações, sobre os vencimentos que o atual vice-presidente de Angola, Manuel Vicente, auferia entre 2007 e 2010, quando exercia atividades na Sonangol, BCP (ActivBank) e Banco Angolano de Investimentos (BAI), entre outras entidades, e que pertenciam a um processo que foi arquivado em 2012.

Lusa

  • Procurador suspeito de corrupção interrogado
    1:50

    País

    O vice-presidente angolano está indiciado por corrupção em Portugal, no caso que levou à detenção de um procurador do Ministério Público. Até agora não houve qualquer reação do Governo de Luanda em relação a estas suspeitas sobre Manuel Vicente. Quanto ao homem que terá corrompido, o magistrado Orlando Figueira, detido na terça-feira, está hoje a ser interrogado por uma juíza de instrução criminal.

  • Orlando Figueira conhece hoje medidas de coação
    1:25

    País

    Já terminou o primeiro interrogatório judicial ao procurador do Ministério Público, suspeito de corrupção. As medidas de coação serão conhecidas ainda hoje. Sabe-se entretanto que o processo terá mais arguidos, três deles com ligações a Manuel Vicente, o vice-presidente de Angola.

  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15

    País

    Os fogos mais violentos começaram na Lousã, no distrito de Coimbra, e o cenário é desolador. Casas e empresas foram totalmente destruídas. Paulo Carvalho era dono de uma carpintaria, que foi reduzida a um monte de escombros.

  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10

    País

    As autoridades confirmaram a morte de oito pessoas no concelho de Vouzela. Agora é tempo de fazer o luto e tentar reerguer o que foi destruído pelo fogo. Os testemunhos emocionados dos moradores e do autarca relatam a destruição deixada pelas chamas. Custódia perdeu quase tudo. José teve de comprar um gerador para continuar a dar de beber às galinhas.

  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.