sicnot

Perfil

País

Manuel Damásio proibido de contactar arguidos da Operação "Rota do Atlântico"

ÚLTIMA HORA

O antigo presidente do Benfica Manuel Damásio ficou hoje sob termo de identidade e residência e proibido de contactar com outros arguidos no âmbito da Operação Rota do Atlântico, disse hoje o seu advogado de defesa, Nobre Correia.

Damásio está "indiciado por factos susceptíveis de integrarem os crimes de branqueamento e tráfico de influência", num inquérito em que se investigam "suspeitas da prática de corrupção no comércio internacional e fraude fiscal".

Manuel Damásio foi hoje ouvido pelo Tribunal Central de Instrução Criminal durante mais de sete horas e saiu cerca das 22:40, acompanhado pelo seu advogado.

Manuel Damásio, 75 anos, hoje detido pela Polícia Judiciária (PJ), é suspeito no processo Operação Rota do Atlântico da prática dos crimes de branqueamento de capitais e tráfico de influências, disse à agência Lusa fonte policial.

Em comunicado, a PJ precisou que a detenção ocorreu no âmbito de um inquérito dirigido pelo Ministério Público, junto do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), e decorre de uma investigação iniciada em finais de 2014, que deu origem à operação Rota do Atlântico.

O empresário de futebol José Veiga e o advogado Paulo Santana Lopes são dois dos outros arguidos na operação Rota do Atlântico, que se encontram detidos desde 08 de fevereiro.

José Veiga está em prisão preventiva e Paulo Santana Lopes em prisão domiciliária.

O processo tem ainda como arguida a advogada Maria Barbosa, que se encontra com termo de identidade e residência e, tal como os anteriores dois arguidos, proibida de contacto entre eles.

A 08 de fevereiro, a Procuradoria-Geral da República (PGR) emitiu um comunicado, no qual referia que o inquérito relativo à Rota do Atlântico tinha nove arguidos: quatro pessoas singulares e cinco pessoas coletivas (empresas ou instituições)

Em causa, nesta investigação, adiantava a PGR, estão suspeitas da prática dos crimes de corrupção no comércio internacional, branqueamento, fraude fiscal e tráfico de influência.

Lusa

  • Manuel Damásio terá ajudado José Veiga a branquear milhões de euros
    1:23

    País

    Manuel Damásio, antigo presidente do Benfica, foi detido por suspeitas de branqueamento de capitais e tráfico de influências. A detenção está relacionada com o processo "Rota do Atlântico" que mantém em prisão preventiva o empresário José Veiga. Damásio terá ajudado José Veiga a branquear milhões de euros.

  • Manuel Damásio é o quinto arguido da operação "Rota do Atlântico"
    2:26

    País

    Manuel Damásio é o quinto arguido da Operação "Rota do Atlântico", que investiga há mais de um ano suspeitas de corrupção, branqueamento de capitais, fraude fiscal e tráfico de influências. Envolvido neste processo está também José Veiga que está em prisão preventiva desde 8 de fevereiro. Foram realizadas 35 buscas em Lisboa, Fátima e Braga onde estiveram envolvidos 120 inspetores e 10 magistrados.

  • Perfil de Manuel Damásio
    2:49

    País

    Manuel Damásio tem 75 anos e já foi presidente do Benfica. Na década de 90 surpreendeu o país quando declarou o salário mínimo às Finanças. É empresário, mediador de imóveis de luxo e representante da leiloeira Christies em Portugal.

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.