sicnot

Perfil

País

Duas cientistas portuguesas entre os vencedores dos prémios Wellcome Image

Duas imagens de células, recolhidas pelas cientistas portuguesas Paula Alexandre e Sílvia Ferreira, a trabalharem no Reino Unido, estão entre as 20 vencedoras da edição 2016 dos prémios Wellcome Image, para imagens científicas, anunciou hoje a organização.

Prémios Wellcome Image ainda em fase de seleção

Prémios Wellcome Image ainda em fase de seleção

wellcomeimageawards.org


Paula Alexandre, que coordena um grupo de investigação no Institute of Child Health, da University College London, ganhou com uma imagem inédita, obtida com um microscópio confocal, da divisão celular no cérebro de um embrião de um peixe-zebra.

Sílvia Ferreira, investigadora no King's College London, venceu, juntamente com Cristina Lopo e Eileen Gentleman, com a imagem de uma célula estaminal humana (célula que se diferencia noutras células e usada na reparação de tecidos) do osso ilíaco de uma pessoa saudável, que doou medula óssea para ajudar a tratar doentes que tiveram complicações após um transplante.

Os prémios, promovidos pela fundação britânica Wellcome Trust, distinguem os criadores das imagens mais informativas, e tecnicamente notáveis, sobre detalhes significativos da ciência biomédica, e serão entregues a 15 de março, numa cerimónia onde será revelado o grande vencedor.

O trabalho da cientista Paula Alexandre incide na compreensão de como as células neuronais se formam normalmente e de como existem alterações quando ocorrem anomalias no cérebro.

O microscópio confocal que utilizou permitiu obter imagens de amostras vivas da sequência de uma divisão celular, neste caso de um 'progenitor neuronal', que dá origem a neurónios (células do sistema nervoso), e de células cerebrais.

Sílvia Ferreira, engenheira biomédica, faz parte da equipa liderada pela investigadora Eileen Gentleman, que se debruça sobre a engenharia de tecidos e a medicina regenerativa.

As 20 imagens vencedoras foram selecionadas por um júri que inclui peritos em artes visuais, medicina, comunicação de ciência e ciências biomédicas.

As imagens podem ser visualizadas na Wellcome Images, um repositório que disponibiliza o acesso ilimitado, e gratuito, a um vasto catálogo de imagens medico-científicas, incluindo de manuscritos, livros raros e ilustrações.

Os prémios Wellcome Image são promovidos, desde 1997, pela Wellcome Trust, uma fundação, com sede em Londres, que apoia a investigação e a educação a favor da melhoria da saúde.

As imagens vencedoras vão ser expostas em 16 centros científicos, museus e galerias no Reino Unido, na Rússia, nos Estados Unidos e na África do Sul, nomeadamente no Museu da Ciência de Londres.

Lusa

  • Sessão solene no Parlamento e desfile popular nas comemorações do 25 de Abril

    País

    Os 43 anos da Revolução dos Cravos são hoje comemorados com a sessão solene no Parlamento e o tradicional desfile popular, tendo o Presidente da República escolhido o 25 de Abril para condecorar, a título póstumo, Francisco Sá Carneiro. A SIC Notícias acompanha esta manhã a sessão solene na Assembleia da República. Veja aqui em direto.

  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.