sicnot

Perfil

País

Participação de violência doméstica aumentou 50% entre 2013 e 2015

A procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, disse hoje, no Porto, que as participações em Portugal de violência doméstica aumentaram 50%, entre 2013 e 2015.

Joana Marques Vidal, procuradora-geral da República (Lusa/Arquivo)

Joana Marques Vidal, procuradora-geral da República (Lusa/Arquivo)

LUSA

"Entre 2013 e 2015, a participação de violência doméstica aumentou 50%", declarou Joana Marques Vidal, durante a sessão de abertura do colóquio denominado "Violência Doméstica", que decorre hoje à tarde, no Departamento de Investigação e Ação Penal do Porto (DIAP).

Segundo a procuradora-geral da República, o número de participações de violência doméstica são "avassaladores", mas admitiu que o seu aumento se explica porque "há mais consciência cívica", e porque "há mais confiança nas respostas dos que participam".

Joana Marques Vidal também anunciou hoje que a Comarca do Porto foi a que registou mais participações de violência doméstica no ano de 2015.

"É oportuno ser no Porto [que se realiza o colóquio sobre Violência Doméstica], porque verificámos que as participações na Comarca do Porto são superiores [às de] qualquer outro sítio do país", declarou a procuradora-geral da República.

Depois da Comarca do Porto, com maior número de registo deste tipo de participações, seguem-se as comarcas de Lisboa, em segundo lugar, de Lisboa Este, em terceiro, e depois de Braga, Lisboa Norte e de Aveiro, por esta ordem.

De 1 de janeiro a 31 de dezembro de 2015, registaram-se 29 homicídios de mulheres e houve, nos últimos 12 anos, uma média anual de 36 mulheres mortas, disse, durante o colóquio "Violência Doméstica", a procuradora-geral distrital do Porto, Maria Raquel Desterro.

Na violência doméstica, um crime público, as principais vítimas são as mulheres, recordou Joana Marques Vidal, referindo que a questão é de "direitos humanos", mas também é "de cidadania e envolve toda a comunidade".

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.