sicnot

Perfil

País

Álcool no sangue aumenta o risco de morte dos condutores em acidentes

O risco de morte dos condutores em acidentes de viação com taxas de alcoolemia consideradas crimes aumenta em cerca de 140 vezes face aos que conduzem sem álcool, concluiu a Prevenção Rodoviária Portuguesa (PRP).

 Lusa

Lusa

PAULO CUNHA

As conclusões hoje divulgadas surgem após as mais de cinco mil observações realizadas pela Prevenção Rodoviária Portuguesa, com o apoio da PSP e da GNR, junto de ciclistas, motociclistas e condutores de veículos pesados e ligeiros.

A PRP adianta que, em média, em cada mil condutores portugueses que circulam nas estradas, 18 conduzem com taxas de álcool consideradas ilegais e pelo menos 86 conduzem depois de terem consumido bebidas alcoólicas, ainda que dentro dos limites estabelecidos pela legislação.

Nas observações efetuadas aleatoriamente, a PRP verificou que 1,80 por cento dos condutores controlados apresentavam taxas ilegais (taxa de álcool no sangue superior a 0,50 gramas por litro), dos quais 0,33% apresentavam taxas superiores a 1,2 gramas por litro, que a legislação tipifica como crime.

A PRP, citando dados do Instituto de Medicina Legal e Ciências Forenses (IMLCF) de 2010 a 2012, indica igualmente que 35,9% dos condutores mortos em acidentes de viação tinham taxas de alcoolemia ilegais, sendo que a grande maioria dos casos (26,1%) apresentavam taxas iguais ou superiores a 1,20 gramas por litro, em contraste com os restantes 9,8% de condutores, que tinham taxas ilegais situadas entre os 0,5 e 1,19 g/l.

Após a análise das observações e da correlação com os dados do IMLCF, a PRP conclui que o risco de morte em acidentes de viação, em Portugal, aumenta, em média, entre nove e doze vezes para os casos das taxas que são consideradas como contraordenações graves e muito graves e mais de 140 vezes para as taxas consideradas como crime.

O presidente da PRP, José Miguel Trigoso, considerou "fundamental tirar completamente da circulação todos os casos em que os condutores apresentem estas taxas de alcoolemia, nomeadamente para proteção das vítimas inocentes que decorrem dos acidentes por eles causados"

O responsável lamenta ainda que "estes casos continuam a ser tratados com uma extrema benevolência pela parte dos tribunais".

Das observações feitas, a PRP constatou também que a taxa de álcool no sangue variou significativamente com o género dos condutores.

De acordo com a PRP, em cada mil condutores do sexo masculino, 126 beberam antes de conduzir, dos quais 22 apresentaram taxas ilegais, sendo que apenas neste grupo de condutores se verificaram observações de taxas "crime". Quanto às condutoras, apenas 47 beberam antes de conduzir e dessas oito acusaram taxas ilegais.

A Prevenção Rodoviária Portuguesa refere também que os condutores na faixa etária dos 18 aos 25 anos apresentam taxas de álcool ilegais mais elevadas, verificando-se um decréscimo com o aumento da idade.

No entanto, a PRP realça que as grandes diferenças nas taxas de álcool no sangue observadas decorrem dos horários: De manhã, em cada mil condutores em circulação nos dias de semana (entre as 10:00 e as 12:00) 23 tinham presença de álcool no sangue, dos quais nove em quantidade ilegal. Durante as noites de fins de semana (entre as 03:00 e as 05:00), em cada mil condutores, 243 acusavam presença de álcool no sangue, dos quais 70 em quantidades ilegais.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.