sicnot

Perfil

País

Ex-administrador da Gaianima fala em "guerrilha política" por detrás de investigação

O ex-administrador da empresa municipal Gaianima Angelino Ferreira considerou hoje que a investigação à gestão da antiga empresa municipal tem "muita guerrilha política por detrás", não atribuindo "qualquer credibilidade" à auditoria externa que revelou irregularidades.

Luís Filipe Menezes, criador da Gaianima.

Luís Filipe Menezes, criador da Gaianima.

LUSA

"Em janeiro de 2014 fui convidado para continuar no Conselho de Administração [da Gaianima] pelo atual presidente da câmara e acedi, mas passado um mês comecei a aperceber-me de um certo ruído político, uma guerrilha política, e como não sou ator, nem figurante para esse tipo de coisas, defendi a realização de uma auditoria que, entretanto, subscrevi e deliberei", disse durante uma conversa com jornalistas.

Angelino Ferreira falava hoje aos jornalistas, um dia depois de a Polícia Judiciária (PJ) ter realizado 24 buscas à Câmara de Gaia, empresas e domicílios, no âmbito de uma investigação ligada à gestão da antiga empresa municipal Gaianima, extinta em 2015. Segundo a Procuradoria-Geral Distrital (PGD) do Porto, ainda não foram constituídos arguidos.

Angelino Ferreira realçou nunca ter sido ouvido nem durante, nem depois da realização da auditoria externa à empresa municipal Gaianima.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.