sicnot

Perfil

País

Vale e Azevedo sai em precária durante quatro dias

O antigo presidente do Benfica, a cumprir uma pena de 11 anos e meio de prisão, vai ter uma segunda saída precária na sexta-feira, com a duração de quatro dias, disse hoje à agência Lusa a sua advogada, Luísa Cruz.

LUSA/ ARQUIVO

Segundo a advogada, Vale e Azevedo deverá sair do Estabelecimento Prisional da Carregueira, em Sintra, pelas 17:00 de sexta-feira.

Esta será a segunda saída precária do ex-presidente encarnado, tendo a primeira acontecido no final do passado mês de janeiro.

Luísa Cruz entende que Vale e Azevedo terá que sair em liberdade condicional a 07 de junho próximo quando completar 5/6 da pena.

Vale e Azevedo, que foi extraditado de Inglaterra para Portugal após uma complexa batalha jurídica, cumpre uma pena de 11 anos e meio de prisão, em cúmulo jurídico pelas condenações nos processos Ovchinikov, Euroárea, Dantas da Cunha e Ribafria, por crimes que burla agravada, entre outros ilícitos de natureza económico-financeira.

O antigo presidente do Benfica foi extraditado para Portugal a 12 de novembro de 2012 no âmbito de um mandado de detenção europeu emitido pelas autoridades judiciárias portuguesas.

Em outubro de 2015, o Tribunal da Relação de Lisboa rejeitou um recurso de Vale e Azevedo relativo à liberdade condicional.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.