sicnot

Perfil

País

Vale e Azevedo sai em precária durante quatro dias

O antigo presidente do Benfica, a cumprir uma pena de 11 anos e meio de prisão, vai ter uma segunda saída precária na sexta-feira, com a duração de quatro dias, disse hoje à agência Lusa a sua advogada, Luísa Cruz.

LUSA/ ARQUIVO

Segundo a advogada, Vale e Azevedo deverá sair do Estabelecimento Prisional da Carregueira, em Sintra, pelas 17:00 de sexta-feira.

Esta será a segunda saída precária do ex-presidente encarnado, tendo a primeira acontecido no final do passado mês de janeiro.

Luísa Cruz entende que Vale e Azevedo terá que sair em liberdade condicional a 07 de junho próximo quando completar 5/6 da pena.

Vale e Azevedo, que foi extraditado de Inglaterra para Portugal após uma complexa batalha jurídica, cumpre uma pena de 11 anos e meio de prisão, em cúmulo jurídico pelas condenações nos processos Ovchinikov, Euroárea, Dantas da Cunha e Ribafria, por crimes que burla agravada, entre outros ilícitos de natureza económico-financeira.

O antigo presidente do Benfica foi extraditado para Portugal a 12 de novembro de 2012 no âmbito de um mandado de detenção europeu emitido pelas autoridades judiciárias portuguesas.

Em outubro de 2015, o Tribunal da Relação de Lisboa rejeitou um recurso de Vale e Azevedo relativo à liberdade condicional.

Lusa

  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.