sicnot

Perfil

País

Vale e Azevedo sai em precária durante quatro dias

O antigo presidente do Benfica, a cumprir uma pena de 11 anos e meio de prisão, vai ter uma segunda saída precária na sexta-feira, com a duração de quatro dias, disse hoje à agência Lusa a sua advogada, Luísa Cruz.

LUSA/ ARQUIVO

Segundo a advogada, Vale e Azevedo deverá sair do Estabelecimento Prisional da Carregueira, em Sintra, pelas 17:00 de sexta-feira.

Esta será a segunda saída precária do ex-presidente encarnado, tendo a primeira acontecido no final do passado mês de janeiro.

Luísa Cruz entende que Vale e Azevedo terá que sair em liberdade condicional a 07 de junho próximo quando completar 5/6 da pena.

Vale e Azevedo, que foi extraditado de Inglaterra para Portugal após uma complexa batalha jurídica, cumpre uma pena de 11 anos e meio de prisão, em cúmulo jurídico pelas condenações nos processos Ovchinikov, Euroárea, Dantas da Cunha e Ribafria, por crimes que burla agravada, entre outros ilícitos de natureza económico-financeira.

O antigo presidente do Benfica foi extraditado para Portugal a 12 de novembro de 2012 no âmbito de um mandado de detenção europeu emitido pelas autoridades judiciárias portuguesas.

Em outubro de 2015, o Tribunal da Relação de Lisboa rejeitou um recurso de Vale e Azevedo relativo à liberdade condicional.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.