sicnot

Perfil

País

Mais dinheiro gasto em estradas nacionais que em autoestradas

Portugal gastou mais em estradas nacionais ou municipais do que em autoestradas nas últimas três décadas, sendo as rodovias o segundo maior investimento no país, de acordo com o estudo Investimentos em Infraestruturas em Portugal.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

Entre 1980 e 2011, o investimento na rede de autoestradas correspondeu a 6,8% do investimento total no país, enquanto o investimento na rede nacional de estradas correspondeu a 12,9% e na rede municipal de estradas a 9,64%, revela o estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos, da autoria de Alfredo Marvão Pereira e Rui Marvão Pereira.

As infraestruturas de transporte rodoviário no seu conjunto representaram mais de um quarto (28,5%) do investimento total realizado ao longo das três décadas, sendo apenas superado pelo investimento em infraestruturas básicas (38,9% do total).

De acordo com o estudo divulgado hoje, o montante gasto na rede municipal de estradas fica apenas 20% abaixo do realizado nas estradas nacionais, que por seu lado absorveram cerca de 60% do investimento em infraestruturas rodoviárias (excluindo as autoestradas).

O peso do investimento na rede de autoestradas no PIB atingiu o ponto mais alto na década de 2000, tendo então correspondido a 11% do investimento total (acima do valor médio de 6,8%) e a região centro absorveu mais de 40% do investimento total em autoestradas, sendo seguida pela região norte, com quase 30% do investimento total.

Já na rede nacional de estradas o norte foi a região que captou a maior percentagem de investimento nas três décadas, mas na de 2000 o Alentejo foi a que teve mais investimento.

Também foi a região norte que atraiu maior investimento na rede municipal de estradas, com mais de um terço do investimento total efetuado, de acordo com o estudo Investimentos em Infraestruturas em Portugal.

No documento hoje apresentado, os autores pretendem iniciar um debate técnico e pragmático sobre as grandes decisões estratégicas nas áreas de investimento em infraestruturas, procurando promover uma discussão baseada em conceitos e não em preconceitos.

"O investimento em infraestruturas entrou no léxico português como evocando excesso, esbanjamento e interesses especiais", afirmam no epílogo do estudo, realçando que "não foi sempre assim", admitindo que, depois de 1986, com a adesão de Portugal à União Europeia, e até ao final dos anos 90, foram "dias gloriosos", em que os investimentos em infraestruturas, sobretudo rodoviárias, foram vistos como a cura para todos os problemas económicos.

"Após o final dos anos 1990, as coisas começaram a mudar", dizem, com os governos a recorrerem ao uso generalizado de parcerias público-privadas face à menor disponibilidade de fundos comunitários, e mais recentemente muitos investimentos em infraestruturas foram alvo de críticas e suspeitas.

Lusa

  • Estradas cortadas em Viseu devido à neve foram reabertas
    1:33

    País

    Em Viseu as estradas que tinham sido cortadas por causa da neve já reabriram ao trânsito. E no distrito de Vila Real também se circulou com normalidade. O sol convidou a um passeio na serra, onde o cenário esta tarde já estava mais verde e menos branco.

  • Carros sem condutor?
    6:53

    Mundo

    Engenheiros israelitas estão a desenvolver um carro do futuro. Muitos acreditam que, em menos de uma década, ​parte dos automóveis que estiverem a circular em todas as estradas do mundo serão autónomos, ou seja, não será preciso aprender a conduzir, já que o computador integrado substituirá o condutor, o que poderá reduzir drasticamente o número de acidentes. O correspondente da SIC, Henrique Cymerman, viajou num destes carros, na autoestrada entre Jerusalém e Telavive.

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.