sicnot

Perfil

País

Portal do clima antevê temperaturas e chuva até ao final do século

O portal do clima, preparado pelo instituto responsável pela meteorologia, vai disponibilizar informação com indicadores como temperatura ou pluviosidade, até final do século, úteis para a definição de projetos de empresas, administração pública ou local.

PAULO NOVAIS

O instrumento, no âmbito da resposta às alterações climáticas, vai estar disponível a partir de abril, mas já se encontra numa fase de experiência, e é lançado hoje pelo Instituto Português do Mar e Atmosfera, numa cerimónia a decorrer em Lisboa para marcar o Dia Meteorológico Mundial.

"O principal objetivo é criar um conjunto de dados que possa auxiliar seja a administração local, nacional, empresas públicas e privadas, para terem informação que apoiem estrategicamente a sua área de negócio", por exemplo, para a preparação de projetos de barragens, que vão fornecer água nos próximos 40 anos, tendo em conta a diminuição ou aumento da chuva, explicou à agência Lusa o diretor de Meteorologia e Geofísica do IPMA.

Pedro Viterbo explicou que "todo o público, seja geral ou especialista, pode comparar a normal, o conjunto das condições meteorológicas de hoje, com a normal entre 2010 e 2040 e preparar tudo para se adaptar ao clima".

O portal, que, segundo o especialista, "é bastante completo, tem 41 indicadores a relacionar a situação atual com o período futuro escolhido", e será útil para diversas áreas, da agricultura à saúde, turismo, gestão de risco de incêndio ou da aridez do terreno.

Foram criados vários indicadores ou grandezas meteorológicas, por exemplo, aquela associada à temperatura que informa sobre máximos e minímos, mas também acerca do número de dias muitos quentes, com valores acima dos 35 graus Celsius.

Além das barragens, outras situações são apontadas por Pedro Viterbo, como a atualização do regulamento da construção civil.

"Não há uma única linha nesse regulamento que envolva alterações climáticas e não faz qualquer sentido, neste momento, termos um documento que não seja ajustável àquilo que vai acontecer nos próximos 30, 40, 50 anos", tempo de duração dos edifícios e período em que é esperado um aquecimento do clima, realçou.

Os especialistas têm projeções climáticas para o século XXI, divididas em três conjuntos de 30 anos, a começar em 2011, e informação sobre os últimos 30 anos.

Com base em cenários regionais sobre a Europa, os técnicos reuniram mais de uma dezena de cenários para Portugal, fazendo uma média entre eles o que reduz a incerteza.

O tratamento dos dados, com a tecnologia científica atual, "dá-nos confiança de que estamos a dar o melhor produto, a melhor antevisão possível", concluiu.

O portal do clima insere-se no programa Adapt, financiado pelo EEA Grants, que reúne Noruega, Islândia e Liechtenstein, e transfere para Portugal verbas para projetos em áreas como o mar ou a adaptação a alterações climáticas.

O Dia Meteorológico Mundial, que hoje se comemora, é assinalado com uma sessão que conta com a presença da ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, e, além da apresentação do portal do clima, resultado de uma associação entre o IPMA e a Agência Portuguesa do Ambiente, são assinados protocolos de cooperação científica, na área das energias renováveis, com a EDP Inovação, e na área do alerta precoce sísmico, com o Instituto Superior Técnico.

Lusa

  • O tempo para hoje
    0:28

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê para hoje: períodos de céu muito nublado, diminuindo gradualmente de nebulosidade a partir do meio da tarde; aguaceiros, em geral fracos e pouco frequentes, em especial nas regiões Centro e Sul, e que serão de neve acima de 1400/1600 metros, subindo a cota para 1600/1800 metros a partir da tarde; vento fraco a moderado (10 a 25 km/h) do quadrante norte, soprando por vezes moderado a forte (25 a 40 km/h) nas terras altas do Centro e Sul no início e fim do dia; formação de geada nas regiões do interior Norte e Centro; possibilidade de ocorrência de neblina ou nevoeiro matinal.

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada desde domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.