sicnot

Perfil

País

APAV apoiou, em média, três crianças e jovens por dia vítimas de agressão

O relatório anual 2015 da APAV refere que 54,6% das vítimas são meninas, com uma média de idade de 9,9 anos, sendo que 23,8% frequenta o pré-escolar e 23,6%, o primeiro ciclo.

O relatório anual 2015 da APAV refere que 54,6% das vítimas são meninas, com uma média de idade de 9,9 anos, sendo que 23,8% frequenta o pré-escolar e 23,6%, o primeiro ciclo.

O relatório anual 2015 da APAV refere que 54,6% das vítimas são meninas, com uma média de idade de 9,9 anos, sendo que 23,8% frequenta o pré-escolar e 23,6%, o primeiro ciclo.

© Neil Hall / Reuters

Os dados da APAV apontam 102 casos de crianças menores de 14 anos que foram abusadas sexualmente e um caso de pornografia de menores.

A maioria das vítimas vivia em famílias nucleares com filhos (49,6%).

Relativamente aos idosos, as estatísticas da APAV referem que foram apoiadas 977 vítimas em 2015, uma média de 2,7 por dia e 18,7 por semana, mais 125 do que no ano anterior.

Segundo os dados, a que a agência Lusa teve acesso, 80,5% destas vítimas são mulheres, com uma média de idade de 75 anos.

Quase 40% das vítimas (39%) viviam numa família nuclear com filhos, 58,4% eram casados e 29,5% eram viúvos. A grande maioria (90,1%) era reformada.

Quanto à escolaridade das vítimas, os dados indicam que 33,3% das vítimas tinham o primeiro ciclo do ensino básico, 19,2%, o ensino superior e 13,3% não sabia ler nem escrever.

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima traçou também o perfil das vítimas de crimes sexuais, de 'bullyng' e de 'stalking'(assédio persistente).

Em 2015, a APAV apoiou 255 vítimas de crime sexual, a grande maioria (82,1%) mulheres, com uma média de idade a rondar os 25 anos.

Metade das vítimas era estudante, sendo que 20,1% frequentavam o ensino secundário, 18,2%, o terceiro ciclo e 15,9%, o primeiro ciclo.

Destas vítimas que pediram ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, 54,9% eram adultos e 43,1% crianças e jovens.

Cerca de um terço das vítimas era solteira e 13,7% casadas. Em 11,5% dos casos o agressor era conhecido da vítima e em 11% foi o filho. Em 10,6% dos casos, a vítima não conseguir identificar quem a agrediu.

A APAV recebeu também, no ano passado, 114 pedidos de ajuda de vítimas de 'bullying', a maior parte (52,3%) raparigas, com uma média de idade de 18,1 anos.

Em 60,2% dos casos o agressor foi um colega da escola.

Os dados acrescentam que 76,7% das vítimas são crianças e jovens, 94% solteiros e 55% viviam numa família nuclear com filhos.

A grande maioria (85,6%) é estudante, sendo que 30,9% das vítimas encontrava-se a estudar no primeiro ciclo, 22,1%, no segundo ciclo, 13,2% no terceiro ciclo e 8,8% no secundário.

O assédio persistente levou 427 pessoas a pedirem apoio à APAV no ano passado, a grande maioria (90,2%) mulheres, com uma média de idade de 40 anos.

Na grande maioria dos casos (74,7%), a vítima teve ou tinha um relacionamento com o agressor. Em 21,6% dos casos, o agressor era o ex-companheiro, em 18,4% ex-namorado, em 16% das situações era cônjuge e em 11,7% ex-marido.

Relativamente ao estado civil das vítimas, 33,1% eram solteiras, 22,6% divorciadas, 22% casadas, 12,4% separadas. Perto de 30% viviam numa família nuclear com filhos e 28,7% numa família monoparental.

A maioria (64%) das vítimas estava empregada, 45% tinha ensino superior e 19,1%, o secundário.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.