sicnot

Perfil

País

APAV apoiou, em média, três crianças e jovens por dia vítimas de agressão

O relatório anual 2015 da APAV refere que 54,6% das vítimas são meninas, com uma média de idade de 9,9 anos, sendo que 23,8% frequenta o pré-escolar e 23,6%, o primeiro ciclo.

O relatório anual 2015 da APAV refere que 54,6% das vítimas são meninas, com uma média de idade de 9,9 anos, sendo que 23,8% frequenta o pré-escolar e 23,6%, o primeiro ciclo.

O relatório anual 2015 da APAV refere que 54,6% das vítimas são meninas, com uma média de idade de 9,9 anos, sendo que 23,8% frequenta o pré-escolar e 23,6%, o primeiro ciclo.

© Neil Hall / Reuters

Os dados da APAV apontam 102 casos de crianças menores de 14 anos que foram abusadas sexualmente e um caso de pornografia de menores.

A maioria das vítimas vivia em famílias nucleares com filhos (49,6%).

Relativamente aos idosos, as estatísticas da APAV referem que foram apoiadas 977 vítimas em 2015, uma média de 2,7 por dia e 18,7 por semana, mais 125 do que no ano anterior.

Segundo os dados, a que a agência Lusa teve acesso, 80,5% destas vítimas são mulheres, com uma média de idade de 75 anos.

Quase 40% das vítimas (39%) viviam numa família nuclear com filhos, 58,4% eram casados e 29,5% eram viúvos. A grande maioria (90,1%) era reformada.

Quanto à escolaridade das vítimas, os dados indicam que 33,3% das vítimas tinham o primeiro ciclo do ensino básico, 19,2%, o ensino superior e 13,3% não sabia ler nem escrever.

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima traçou também o perfil das vítimas de crimes sexuais, de 'bullyng' e de 'stalking'(assédio persistente).

Em 2015, a APAV apoiou 255 vítimas de crime sexual, a grande maioria (82,1%) mulheres, com uma média de idade a rondar os 25 anos.

Metade das vítimas era estudante, sendo que 20,1% frequentavam o ensino secundário, 18,2%, o terceiro ciclo e 15,9%, o primeiro ciclo.

Destas vítimas que pediram ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, 54,9% eram adultos e 43,1% crianças e jovens.

Cerca de um terço das vítimas era solteira e 13,7% casadas. Em 11,5% dos casos o agressor era conhecido da vítima e em 11% foi o filho. Em 10,6% dos casos, a vítima não conseguir identificar quem a agrediu.

A APAV recebeu também, no ano passado, 114 pedidos de ajuda de vítimas de 'bullying', a maior parte (52,3%) raparigas, com uma média de idade de 18,1 anos.

Em 60,2% dos casos o agressor foi um colega da escola.

Os dados acrescentam que 76,7% das vítimas são crianças e jovens, 94% solteiros e 55% viviam numa família nuclear com filhos.

A grande maioria (85,6%) é estudante, sendo que 30,9% das vítimas encontrava-se a estudar no primeiro ciclo, 22,1%, no segundo ciclo, 13,2% no terceiro ciclo e 8,8% no secundário.

O assédio persistente levou 427 pessoas a pedirem apoio à APAV no ano passado, a grande maioria (90,2%) mulheres, com uma média de idade de 40 anos.

Na grande maioria dos casos (74,7%), a vítima teve ou tinha um relacionamento com o agressor. Em 21,6% dos casos, o agressor era o ex-companheiro, em 18,4% ex-namorado, em 16% das situações era cônjuge e em 11,7% ex-marido.

Relativamente ao estado civil das vítimas, 33,1% eram solteiras, 22,6% divorciadas, 22% casadas, 12,4% separadas. Perto de 30% viviam numa família nuclear com filhos e 28,7% numa família monoparental.

A maioria (64%) das vítimas estava empregada, 45% tinha ensino superior e 19,1%, o secundário.

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.