sicnot

Perfil

País

Desenhos de crianças portuguesas vão para o espaço

Desenhos de 88 crianças portuguesas vão decorar parte do satélite que será enviado para o espaço em 2018 pela Agência Espacial Europeia, numa missão que conta com a participação técnica e científica nacional.

Dentro de dois anos, a ESA lançará para o espaço o telescópio espacial CHEOPS e, como o satélite tem o tamanho de um pequeno automóvel, a agência espacial decidiu decorá-lo com três mil desenhos de crianças europeias, entre os oito e os 14 anos.

Este concurso contou com a participação do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e do Planetário do Porto -- Centro Ciência Viva, que recebeu 812 desenhos.

Os 88 desenhos portugueses sorteados podem ser vistos em aqui. Todos os outros concorrentes que não foram sorteados também estão disponíveis na internet nesta página.

Durante os próximos seis meses, uma equipa da Universidade de Berna vai transformar os desenhos em miniaturas para poderem ser gravados em duas placas metálicas, que serão posteriormente acopladas ao CHEOPS antes do lançamento, que está previsto para a primavera de 2018.

O satélite CHEOPS é um telescópio espacial com 32 centímetros de diâmetro, que estará em órbita da Terra para observar planetas em torno de estrelas distantes.

Como o CHEOPS não consegue ver diretamente estes exoplanetas, terá de recorrer ao método dos trânsitos para os detetar.

"O Método dos Trânsitos consiste na medição da diminuição da luz de uma estrela, provocada pela passagem de um exoplaneta à frente dessa estrela. Através de um trânsito é possível determinar apenas o raio do planeta. Este método é complicado de usar, porque exige que os planetas e a estrela estejam exatamente alinhados com a linha de visão do observador. Como exemplo da dificuldade destas observações, seria como medir uma pequena diminuição da luz de um candeeiro, a 2 km de distância, e com isso tentar saber o tamanho e a cor das asas do mosquito que passou em frente à lâmpada", explicou o gabinete de comunicação do IA.

Segundo um dos investigadores portugueses envolvidos na missão, Sérgio Sousa, o CHEOPS "vai permitir caracterizar com uma precisão sem precedentes alguns dos exoplanetas descobertos mais interessantes. Os investigadores do IA participam no desenvolvimento da missão, estando mesmo responsáveis por parte da redução dos dados, além de terem também uma importante contribuição na equipa científica do CHEOPS".

Segundo o IA, esta será a maior participação técnica e científica de Portugal numa missão espacial do programa científico da ESA.

Para além de medições extremamente rigorosas do brilho das estrelas, será necessária uma complexa cadeia de cálculos, Made in Portugal pelo IA, até ser possível poder obter medições que permitam inferir a composição e habitabilidade desses planetas.

São 500 os alvos a serem observados e a missão durará apenas três anos e meio, uma limitação imposta pelo combustível.

Lusa

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Guterres apela à Coreia do Norte para cumprir resoluções

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, apelou este sábado ao ministro do Exterior da Coreia do Norte, Ri Yong Ho, para o cumprimento das resoluções que o Conselho de Segurança impôs ao país em resposta à sua escalada armada.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.