sicnot

Perfil

País

Pai acusado de matar bebé à facada em Oeiras diz não se recordar de cometer o crime

O homem acusado de esfaquear mortalmente o filho de seis meses em abril de 2015, em Oeiras, disse hoje em tribunal não se recordar de ter sido o autor do crime.

O homem, de 34 anos, está a ser julgado em Cascais por um tribunal do júri, requerido pela defesa, composto por quatro cidadãos previamente selecionados e outros quatro suplentes.

A acusação do Ministério Público (MP) sustenta que o arguido matou o filho, a 8 de abril de 2015, em retaliação contra a sua ex-companheira, mãe do bebé, a qual lhe teria dito que queria pôr fim à relação entre ambos, após descobrir que o suspeito mantinha o consumo de álcool.

Questionado pela juíza se foi ou não o autor do crime, o arguido disse que não se recorda, mas que não pode ter sido ele.

"Não consigo dizer se pratiquei (o crime), porque não me lembro. Se eu matei o meu filho, então eu sou um monstro, mas eu nunca faria mal a um filho meu. Mais depressa faria a mim do que a ele", sustentou.

O arguido disse ainda não se lembrar de muitos episódios que constam na acusação, incluindo as videochamadas à ex-companheira com ameaças de morte ao filho bebé e a sua detenção pela polícia.

Também na sessão de hoje foi ouvida a psicóloga que avaliou o arguido na prisão. A especialista referiu que o homem sofre de "perturbação psicótica".

De acordo com a responsável, a tragédia terá acontecido durante uma "psicose reativa" do arguido, que pode justificar o ato e perda de memória.

"À data dos factos, era um indivíduo doente psicologicamente e ainda é. Constatei cientificamente que ele não se lembra do que fez", afirmou a psicóloga, sublinhando ainda que "qualquer indivíduo com o estado psíquico semelhante ao dele não tem consciência daquilo que faz".

Para hoje estavam ainda previstas as alegações finais, mas acabaram por ser adiadas para o dia 11 de abril, às 15:00.

O arguido está em prisão preventiva ao abrigo deste processo no Estabelecimento Prisional de Lisboa, acusado de homicídio qualificado.

O homem responde ainda neste processo por explosão e incêndio, profanação de cadáver e homicídio, todos estes crimes na forma tentada, além de um crime de tráfico de droga.

Lusa

  • Pai assumiu autoria do homicídio do filho de seis meses
    2:07

    País

    É um crime que está a provocar indignação. Um homem matou o filho de seis meses à facada em Linda-a-Velha, concelho de Oeiras. Quando foi detido pela polícia ainda tinha sangue nas mãos. O pai do bebé assumiu a autoria do homicídio, vai ser hoje presente a tribunal e deverá conhecer as medidas de coacção esta tarde.

  • Governo prepara pacote de medidas para matas ardidas

    País

    O Governo vai preparar um pacote de medidas para as matas nacionais afetadas pelos incêndios, que passa pela elaboração de um relatório de ocorrências, por um programa de intervenção e pela aplicação da receita da madeira nessas matas.

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • Acabou o estado de graça

    Sá Carneiro dizia que qualquer Governo tem direito a um estado de graça de 100 dias. E que, depois disso, já não tem margem para deitar culpas ao Governo anterior. O discurso de Marcelo, no terreno, junto das vítimas, e não na torre de marfim de Belém, marca o tal "novo ciclo" que o Presidente há muito tinha anunciado, com data marcada: depois das autárquicas.

    Pedro Cruz

  • "O primeiro-ministro falhou em toda a linha"
    4:36

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares não acredita que a ministra da Administração Interna se despediu: "ela foi demitida pela Presidente ontem à noite publicamente". No Jornal da Noite, esta quarta-feira, o comentador da SIC declarou que o primeiro-ministro "falhou em toda a linha" e questionou se António Costa tinha a "coragem política de fazer o que é preciso". Sobre os incêndios, Miguel Sousa Tavares disse ainda que o maior problema não era haver reacendimentos, mas sim "não serem logo apagados e propagarem-se".

    Miguel Sousa Tavares

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07
  • Leiria perdeu 80% do Pinhal nos incêndios
    1:51
  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51
  • "O povo exige um novo ciclo"
    1:10

    Tragédia em Pedrógão Grande

    A Associação de Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande exige que o primeiro-ministro faça um pedido de desculpas público às famílias das vítimas dos incêndios. A Presidente da Associação pede ainda a demissão do comando da Autoridade Nacional de Proteção Civil. Após a reunião desta quarta-feira com António Costa, Nádia Piazza anunciou que o Governo assume as mortes de junho passado e chegou a acordo com os familiares das vítimas.

  • Há um novo livro de Astérix

    Astérix

    Dois anos depois do ultimo album, chega hoje às livrarias a 37ª aventura de Astérix. Em "Astérix e a Transitálica", os gauleses rumam à Península Itálica.