sicnot

Perfil

País

Interrogatório judicial da Operação Aquiles começa amanhã

O interrogatório judicial dos 15 arguidos detidos no âmbito da Operação Aquiles inicia-se às 7:00 de quinta-feira no Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), disse hoje à agência Lusa um dos advogados de defesa.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

Melo Alves, advogado de defesa do ex-coordenador reformado da PJ Carlos Dias Santos, adiantou à agência Lusa que o interrogatório judicial começa muito cedo (7:00) por forma a respeitar a norma legal que impõe que o detido deve ser ouvido por um juiz num prazo de 48 horas.

O advogado tinha a expetativa de que o interrogatório iria começar ainda hoje, com a identificação dos arguidos, mas tal não sucedeu, tendo o Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC) marcado o início das diligências para a manhã de quinta-feira.

Entre os detidos estão dois elementos da própria Polícia Judiciária, o coordenador reformado da PJ Carlos Dias Santos e o inspetor-chefe da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes (UNCTE) Ricardo Macedo, assim como um cabo da GNR do destacamento de Torres Vedras.

O processo envolve suspeitas de corrupção ativa e passiva, tráfico de droga agravado, associação criminosa e branqueamento de capitais, estando em causa alegados pagamentos de luvas por parte de narcotraficantes.

No âmbito da Operação Aquiles foram realizadas várias diligências, tendo sido efetuadas 120 buscas, domiciliárias e não domiciliárias, com a participação de quase duas centenas e meia de polícias.

Os detidos têm idades entre 39 e 60 anos.

Carlos Dias Santos esteve 38 anos na PJ e pertenceu à Direcção Central de Investigação de Tráfico de Estupefacientes (DCITE) e à Direcção Central de Combate ao Banditismo (DCCB).

O inspetor-chefe Ricardo Macedo, outro dos detidos, trabalhava na UNCTE.

A investigação está a cargo da Unidade Nacional de Combate à Corrupção em colaboração com a Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefaciente, num inquérito dirigido pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal.

Lusa

  • Inspetor chefe e o antigo coordenador da PJ ouvidos hoje por juiz
    1:59

    País

    O inspetor chefe e o antigo coordenador da PJ que foram detidos, ontem, por suspeita de estarem a soldo de redes de tráfico de droga, devem ser ouvidos hoje por um juiz. Foram ainda detidos um cabo da GNR e outras 12 pessoas, entre as quais alguns traficantes referenciados pela polícia.

  • Dois elementos da PJ detidos por suspeitas de envolvimento em redes de tráfico de droga
    1:03

    País

    Um inspetor chefe da Polícia Judiciária e um coordenador já reformado estão entre os 15 detidos da Operação Aquiles. São suspeitos de corrupção, branqueamento de capitais e tráfico de droga. Os 15 detidos têm idades entre os 39 e os 60 anos. Os dois elementos da Polícia Judiciária terão estado envolvidos com várias redes de tráfico de droga e recebido avultadas quantias de dinheiro para permitir a entrega de droga em Portugal.

  • PJ detém inspetor chefe no ativo e coordenador reformado

    País

    A Polícia Judiciária deteve hoje um inspetor chefe no ativo e um coordenador reformado da própria PJ, por suspeitas de corrupção e branqueamento de capitais. Em comunicado, a PJ adianta que, no total, foram detidos 15 homens na operação denominada "Aquiles".

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.