sicnot

Perfil

País

António Arnaut e João Lobo Antunes vão receber a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade

O Presidente da República decidiu atribuir a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade ao neurocirurgião João Lobo Antunes e ao fundador do Serviço Nacional de Saúde, António Arnaut, anunciou hoje o ministro da Saúde.

O anúncio foi feito por Adalberto Campos Fernandes durante as comemorações oficiais do Dia Mundial da Saúde, que decorreram na Assembleia da República, onde foram hoje também homenageados Lobo Antunes e António Arnaut.

Na cerimónia, foi atribuído o colar do Prémio Nacional de Saúde ao neurocirurgião João Lobo Antunes e ainda um prémio honorário ao que é considerado o "pai" do Serviço Nacional de Saúde (SNS), António Arnaut.

O Prémio Nacional de Saúde de 2015 distinguiu Lobo Antunes pela sua "notabilíssima e duradoura contribuição para o desenvolvimento da ciência médica e da neurocirurgia em Portugal e pelo seu contributo inequívoco para o prestígio internacional do Sistema de Saúde Português ao qual prestou os mais relevantes serviços".

António Arnaut, licenciado em Direito e fundador do Partido Socialista, ocupou no II Governo Constitucional o cargo de ministro dos Assuntos Sociais, tendo elaborado a lei que deu origem SNS.

No final dos discursos emotivos dos homenageados, o ministro da Saúde anunciou que o Presidente da República irá atribuir a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade a ambos, em cerimónia que ocorrerá no dia 25 de abril.

A Ordem da Liberdade destina-se a distinguir serviços relevantes prestados em defesa dos valores da civilização, em prol da dignificação da pessoa humana e à causa da liberdade.

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.