sicnot

Perfil

País

Cirurgias a doentes oncológicos só em hospitais de Lisboa, Porto, Coimbra e Algarve

Cirurgias a doentes oncológicos só em hospitais de Lisboa, Porto, Coimbra e Algarve

Os doentes com cancro vão passar a ser operados em hospitais específicos e apenas em Lisboa, Porto, Coimbra e Algarve. O novo mapa dos centros de referência deixa de fora, por exemplo, os hospitais do interior do país. A Ordem dos Médicos não concorda e o Ministério da Saúde admite rever alguns casos.

  • Presidente condecora liga contra o cancro e volta a defender pacto na saúde
    0:31

    País

    A Liga Portuguesa contra o Cancro vai receber a primeira condecoração do Presidente da República. Esta manhã, numa cerimónia de celebração dos 75 anos da organização, Marcelo Rebelo de Sousa anunciou que vai atribuir a Ordem do Infante D. Henrique. Durante o discurso, o Presidente voltou a defender a importância de um pacto para a saúde que, apesar de não estar formalizado, até já existe.

  • Cancro do cólon mata em média 11 portugueses por dia
    1:27

    País

    No mês que se assinala em toda a Europa a luta contra o cancro do cólon, a Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia renova o apelo a uma maior aposta na prevenção e diagnóstico precoce. Por ano surgem 8 mil novos casos de cancro no intestino e 4 mil pessoas morrem com a doença. Os especialistas recomendam hábitos de alimentação saudáveis e exercício físico para reduzir os riscos.

  • Bruno de Carvalho garante empenho do Sporting
    0:52

    Desporto

    Bruno de Carvalho diz que o Sporting continua empenhado apesar do momento que o clube atravessa. O presidente leonino discursou ao início da tarde no núcleo Leões da Madeira, no Funchal, onde o Sporting joga hoje com o Marítimo.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.