sicnot

Perfil

País

Corpo carbonizado encontrado no Porto ainda por identificar

A Polícia Judiciária disse hoje que o corpo carbonizado que apareceu quarta-feira nas instalações de uma antiga fábrica da EDP no Porto ainda não foi identificado mas que as investigações se mantêm.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

A Polícia Judiciária declarou hoje que continua a realizar investigações, mas que "ainda não há nenhuma informação a acrescentar" sobre o corpo carbonizado encontrado por agentes do Comando Metropolitano da PSP do Porto no interior das instalações de uma antiga fábrica da EDP (Energias de Portugal).

Segundo fonte da PSP, o corpo encontrava-se em fase avançada de decomposição, não tendo sido possível determinar a idade nem o sexo da vítima.

A descoberta da PSP decorreu pouco tempo depois de um popular ter efetuado uma chamada para o 112 a dar conta de um corpo carbonizado nas antigas instalações de uma fábrica da EDP na estrada da Circunvalação, referiu a fonte do Comando Metropolitano da PSP do Porto.

A ocorrência foi entregue à Polícia Judiciária, que esteve no local a realizar diligências, e o corpo foi retirado das instalações fabris.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.