sicnot

Perfil

País

Rovisco Duarte toma posse como chefe do Estado Maior do Exército esta sexta-feira

O tenente-general Frederico Rovisco Duarte toma sexta-feira posse como chefe do Estado-Maior do Exército, no Palácio de Belém, oito dias depois de ter sido aceite a exoneração do seu antecessor.

De acordo com a agenda do Presidente da República, disponível no site da Presidência, a tomada de posse está marcada para as 16:30 de sexta-feira.

Hoje, o Conselho de Ministros deliberou propor ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a nomeação de Frederico Rovisco Duarte para o cargo de Chefe do Estado-Maior do Exército.

Cabe ao Presidente da República nomear o chefe militar, após aceitar a proposta do Governo, que iniciou os procedimentos com vista à substituição do CEME no dia 07.

Rovisco Duarte, que com a nomeação será promovido a general, tem 56 anos e exercia atualmente as funções de Inspetor-Geral do Exército.

Foi chefe de gabinete do Chefe do Estado-Maior do Exército, entre fevereiro de 2010 e novembro de 2012, passando em seguida para as funções de diretor coordenador do Estado-Maior do Exército, até setembro de 2013.

Em outubro de 2013, assumiu as funções de Comandante do Comando de Instrução e Doutrina, até julho de 2015, desempenhando nessa qualidade um papel relevante na execução da reforma do ensino não superior militar promovida pelo anterior ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco.

Rovisco Duarte integrou a Comissão Técnica de Acompanhamento do processo de reestruturação dos estabelecimentos militares de ensino não superior do Exército, tendo sido condecorado por Aguiar-Branco pela "elevada competência" e "extraordinário empenho" na execução da reforma, que incluiu a abertura do Colégio Militar a alunas e o encerramento do Instituto feminino de Odivelas.

Diretor honorário da Arma de Artilharia desde 24 de setembro de 2013, Frederico Rovisco Duarte irá suceder a Carlos Jerónimo, cujo pedido de exoneração do cargo foi aceite pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, no passado dia 07.

No mesmo dia, o Governo anunciou que tinha iniciado os procedimentos necessários para a substituição do CEME, um processo que implicou a audição de quatro de oito possíveis escolhas, e do chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, Pina Monteiro.

A demissão de Carlos Jerónimo surgiu na sequência da polémica suscitada por afirmações do subdiretor do Colégio Militar assumindo a existência de situações de "exclusão" entre estudantes devido à orientação sexual.

Dias depois, o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, assumiu ao DN ter questionado o CEME sobre que medidas seriam tomadas e considerou "absolutamente inaceitável qualquer situação de discriminação".

Desde então, sucederam-se posições públicas de oficiais na reserva a condenar a atitude do ministro da Defesa e a Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA) lamentou a demissão, considerando que a atitude do ministro foi "institucionalmente incorreta".

Lusa

  • Meryl Streep mais uma vez candidata a um Óscar

    Óscares 2017

    Aos 67 anos, Meryl Streep soma mais uma nomeação para aqueles que são os prémios mais cobiçados de Hollywood. A atriz foi nomeada pela interpretação em "Florence, Uma Diva Fora de Tom". Esta é vigésima vez que a Academia reconhece o trabalho da atriz, que já levou o Óscar para casa três vezes.

    Miguel Domingos

  • Polanski recusa presidir aos "César" por caso de violação em 1977
    1:55

    Cultura

    Roman Polanski já não vai presidir à cerimónia dos prémios César, o equivalente aos Óscares em França. A decisão de se afastar foi tomada esta terça-feira pelo próprio cineasta, na sequência da polémica em que se viu envolvido assim que foi convidado. Em 1977, Polanski foi acusado de ter violado uma adolescente de 13 anos, na Califórnia, declarando-se culpado. O realizador foi agora pressionado por associações feministas, redes sociais e pela ministra francesa dos direitos das mulheres. O diretor do Festival de Cannes Thierry Fremaux diz que falou com o realizador e acha que não é necessário "adicionar mais problemas ao problema".

  • Marcelo quer fazer mais e melhor no segundo ano de mandato
    0:48
  • "Andem lá com isso!"
    0:42
  • "A Miss Helsínquia é a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza"

    Mundo

    Sephora Lindsay Ikabala venceu o concurso Miss Helsínquia 2017 e, desde então, tem vindo a ser insultada e criticada nas redes sociais. A nigeriana de 19 anos vive na cidade desde criança. "A Miss Helsínquia é literalmente a mulher mais feia que já vi num concurso de beleza", é apenas um dos muitos comentários que circula nas redes sociais.