sicnot

Perfil

País

Abertura do Túnel do Marão dependente de certificações esperadas para maio

O Ministério do Planeamento e das Infraestruturas informou esta sexta-feira que a abertura do Túnel do Marão está dependente de certificações de segurança e operacionalidade, que espera estejam concluídas em maio.

Num esclarecimento enviado à Lusa, o gabinete do ministro Pedro Marques não antecipa data para a abertura da nova ligação entre Vila Real e Amarante, no Norte do país, indicando apenas que "as obras de construção do Túnel do Marão estão concluídas" e que "a sua abertura ao tráfego dependente de um conjunto de certificações de segurança e operacionalidade, cuja conclusão deverá ocorrer nos primeiros dias de maio".

A reação do Ministério surgiu na sequência das declarações feitas hoje pelo presidente da Comunidade Intermunicipal (CIM) Terras de Trás-os-Montes, Américo Pereira, que reclamou a resolução rápida da questão e alertou que cada dia que o Túnel do Marão continua encerrado potencialmente é mais uma morte que pode haver na estrada.

O Gabinete do Ministério do Planeamento e das Infraestruturas esclarece que as certificações pelas quais se aguarda para abrir o túnel de seis quilómetros "incluem as que se realizam obrigatoriamente em qualquer infraestrutura destinada ao tráfego automóvel", mas também outras relacionadas com o facto "de se tratar de um túnel de uma dimensão extraordinária".

O esclarecimento enviado à Lusa refere que "o Túnel do Marão disporá dos mais sofisticados e avançados sistemas de prevenção, deteção e resolução de qualquer tipo de incidente ou acidente".

Segundo a tutela, a infraestrutura rodoviária dispõe "de 11 galerias de emergência, algumas dedicadas à circulação de veículos de emergência, sistemas autónomos de energia elétrica, sistemas avançados de iluminação e ventilação, diversos sistemas de deteção de todo o tipo de incidentes com veículos, sistemas de alerta, através de megafonia e radiodifusão", entre outros.

O Túnel do Marão e mais alguns quilómetros de autoestrada são a última empreitada que falta para ligar o Porto à fronteira, em Bragança, e concluir a A4.

A infraestrutura sofreu vários atrasos, devido a questões financeiras, e a obra esteve parada quase três anos.

Os trabalhos estão concluídos e a abertura já chegou a ser anunciada sem data concreta para abril, mas os túneis continuam fechados nos dois sentidos e o trânsito continua a circular obrigatoriamente pelo sinuoso IP4 que permanecerá como alternativa na zona do Marão.

O presidente da CIM de Trás-os-Montes, Américo Pereira, afirmou hoje que "cada semana, cada dia, cada minuto que aquilo esteja encerrado é mais uma bomba que ali está em termos de provocar mais uma morte"

O autarca socialista, que é também presidente da Câmara de Vinhais, no distrito de Bragança, e que falava, em Vila Flor, à margem da apresentação do dispositivo distrital de combate a incêndios florestais, acredita que todos aqueles acidentes que conotaram o IP4 com a "estrada da morte", "teriam sido evitados", se houvesse a alternativa do túnel.

Lusa

  • Debate quinzenal com o primeiro-ministro

    País

    Dia de debate quinzenal na Assembleia da República, que deve ficar marcado pela saída de Portugal do Procedimento por Défice Excessivo. Veja aqui em direto e acompanhe a discussão no Minuto a Minuto SIC/Parlamento Global.

    Direto

  • Morreu Roger Moore

    Cultura

    O ator britânico Roger Moore, conhecido pelos filmes de James Bond e a série "O Santo", morreu hoje, na Suíça, na sequência de um cancro. Tinha 89 anos.

  • Lesados do Banif ouvidos pela PJ
    1:42

    Economia

    A Unidade de Combate à Corrupção está na Madeira para recolher depoimentos de lesados do Banif e é a primeira diligência da Polícia Judiciária depois de uma queixa apresentada por 100 ex-clientes do banco. Os ex-clientes falam de falsificação de documentos, burla e associação criminosa.

  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.