sicnot

Perfil

País

Sessão comemorativa do 25 de Abril começa ao som de "Vejam bem" de Zeca Afonso

A sessão solene comemorativa do 25 de Abril começou hoje no parlamento ao som da canção "Vejam bem", de Zeca Afonso, trauteada por alguns deputados e convidados, no hemiciclo decorado com cravos vermelhos.

Miguel A.Lopes/Lusa

Miguel A.Lopes/Lusa

Miguel A.Lopes

Miguel A.Lopes

Miguel A.Lopes

Miguel A.Lopes

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, chegou à Assembleia da República pelas 9:45 sem cravo mas entrou já com a flor da revolução na mão direita, assistindo ao início da sessão solene ladeado pelo presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues.

Cinco minutos antes, o primeiro-ministro, António Costa, tinha chegado ao parlamento pontualmente às 9:40, já com o cravo ao peito.

Depois do Hino Nacional, o Orfeon Académico de Coimbra entoou a canção "Vejam Bem", de Zeca Afonso, trauteada por alguns deputados, em ambiente de festa.

Antes da sessão começar, no hemiciclo, decorado com cravos vermelhos nas bancadas da presidência e do Governo, deputados das várias bancadas tiraram fotografias, de cravo na lapela.

Quem não trouxe cravo de casa, podia tirar um do vaso colocado de propósito à entrada do hemiciclo e assistir à sessão já com a flor da revolução ao peito. Foi o caso de alguns ministros, como o das Finanças, Mário Centeno, o da Economia, Manuel Caldeira Cabral, e o da Saúde, Adalberto Campos Fernandes.

O presidente da Associação 25 de Abril, Vasco Lourenço, e Otelo Saraiva de Carvalho voltaram a marcar presença na sessão solene, à qual assistiram a partir das galerias.

O ex-presidente da República Cavaco Silva, e o general Ramalho Eanes, acompanhados das respetivas mulheres, Maria Cavaco Silva e Manuela Eanes, assistiram à sessão, notando-se a ausência dos antigos presidentes Jorge Sampaio e Mário Soares.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • "Nobel é um incentivo para toda uma nação"
    1:19