sicnot

Perfil

País

O tempo para hoje

O tempo para hoje

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) prevê para hoje, no continente, céu pouco nublado ou limpo, apresentando períodos de maior nebulosidade no litoral a norte do Cabo Raso até ao final da manhã e nas regiões norte e centro durante a tarde. Está também previsto vento em geral fraco do quadrante oeste, soprando moderado na faixa costeira ocidental e nas terras altas a partir do início da tarde.

Está também prevista neblina ou nevoeiro matinal em alguns locais, pequena subida da temperatura mínima no interior norte e descida da máxima nas regiões do litoral.

Para a Madeira prevê-se períodos de céu muito nublado, vento em geral fraco do quadrante norte e pequena descida da temperatura mínima.

Nos Açores a previsão aponta para períodos de céu muito nublado com boas abertas, aguaceiros fracos e vento oeste com rajadas até 50 quilómetros por hora tornando-se moderado.

Em Lisboa as temperaturas vão oscilar entre 12 e 21 graus Celsius, no Porto entre 10 e 19, em Vila Real 09 e 22, em Bragança entre 07 e 22, em Viseu entre 07 e 21, na Guarda entre 08 e 19, em Coimbra entre 09 e 21, em Castelo Branco entre 10 e 23, em Santarém entre 11 e 23, em Évora entre 10 e 25, em Beja entre 11 e 25, em Faro entre 14 e 23, no Funchal entre 14 e 22, em Ponta Delgada e Angra do Heroísmo entre 16 e 19 e em Santa Cruz das Flores entre 15 e 17.

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.