sicnot

Perfil

País

Seis reclusos romenos em greve de fome há 8 dias na cadeia de Custóias

Seis reclusos romenos do Estabelecimento Prisional do Custóias, no Porto, estão em greve de fome há oito dias, contra a alegada discriminação por parte da Justiça portuguesa, informou hoje o advogado de um dos grevistas.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Stephen Lam / Reuters

Fernando Moura disse à Lusa que o estado de saúde dos grevistas "já começa a ser muito, muito complicado".

"E agora já admitem entrar também em greve de sede, o que irá, certamente, agravar ainda mais o seu quadro clínico", acrescentou.

Contactada pela Lusa, fonte da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais refere que o estado de saúde dos reclusos "se mantém estável e dentro dos parâmetros próprios a quem se encontra em greve de fome".

Acrescenta que, como decorre do legalmente previsto, os reclusos foram separados da restante população prisional e estão a ser objeto de "acompanhamento clínico adequado".

Sublinha que os motivos da greve "em nada se prendem com o estabelecimento e/ou com o sistema prisional.

Segundo Fernando Moura, os reclusos, todos em prisão preventiva por furtos, dizem-se "discriminados" pela Justiça portuguesa.

"Estamos a falar de pequenos furtos, mas o que acontece é que os processos acabam por ser todos juntos para parecer uma coisa em grande e para assim de alguma forma justificar a prisão preventiva", acrescentou.

Disse ainda que os reclusos se queixam que o tribunal escolhe sempre, para os seus processos, uma tradutora da Moldávia, que não consegue traduzir corretamente a língua romena, acabando por os prejudicar, nomeadamente no que se refere às escutas telefónicas.

"Já avisámos a Amnistia Internacional e o governo romeno para o caso daqueles reclusos, que em breve pode assumir contornos dramáticos", concluiu Fernando Moura.

Inicialmente, estavam oito reclusos em greve de fome, mas dois entretanto desistiram daquela forma de protesto.

Lusa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo e 1/4 acredita que SIDA transmite-se pelos talheres
    1:42
  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.