sicnot

Perfil

País

Morreu Rui d'Espiney, um dos fundadores do movimento maoista em Portugal

Rui d'Espiney, militante anti-fascista e co-fundador de dois movimentos comunistas maoista, de cisão no PCP, em 1964, morreu hoje aos 73 anos, em Setúbal, disse à agência Lusa fonte familiar.

esquerda.net

Nascido em Moçambique, foi um dos fundadores, em 1964, da Frente de Acção Popular (FAP) e do Comité Marxista-Leninista Português (CM-LP), juntamente com outro ex-cmunista, Francisco Martins Rodrigues, que resultou de uma cisão no PCP e que defendia a luta armada contra a ditadura.

Rui d'Espiney foi militante do PCP até 1962, tendo abandonado o partido na mesma altura em que Francisco Martins Rodrigues, no centro da primeira cisão maoista no movimento comunista português.

Quando se deu o 25 de Abril, que derrubou a ditadura em 1974, Rui d'Espiney e Francisco Martins Rodrigues estavam presos, desde 1965, sendo torturado pela PIDE, a polícia política.

Uma das suas últimas entrevistas foi para o site da RTP sobre a história da extrema-esquerda em Portugal, em que revisita a formação da FAC, CM-LP, fala da denuncia do infiltrado que o levou à prisão e recorda a tortura de que foi alvo pela polícia política.

Após a revolução, Rui d'Espiney, que faria 74 anos em agosto, afastou-se da política ativa e vivia atualmente em Setúbal, dedicando-se ao ensino, através de uma associação -- o Instituto das Comunidades Educativas.

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.