sicnot

Perfil

País

Morreu Rui d'Espiney, um dos fundadores do movimento maoista em Portugal

Rui d'Espiney, militante anti-fascista e co-fundador de dois movimentos comunistas maoista, de cisão no PCP, em 1964, morreu hoje aos 73 anos, em Setúbal, disse à agência Lusa fonte familiar.

esquerda.net

Nascido em Moçambique, foi um dos fundadores, em 1964, da Frente de Acção Popular (FAP) e do Comité Marxista-Leninista Português (CM-LP), juntamente com outro ex-cmunista, Francisco Martins Rodrigues, que resultou de uma cisão no PCP e que defendia a luta armada contra a ditadura.

Rui d'Espiney foi militante do PCP até 1962, tendo abandonado o partido na mesma altura em que Francisco Martins Rodrigues, no centro da primeira cisão maoista no movimento comunista português.

Quando se deu o 25 de Abril, que derrubou a ditadura em 1974, Rui d'Espiney e Francisco Martins Rodrigues estavam presos, desde 1965, sendo torturado pela PIDE, a polícia política.

Uma das suas últimas entrevistas foi para o site da RTP sobre a história da extrema-esquerda em Portugal, em que revisita a formação da FAC, CM-LP, fala da denuncia do infiltrado que o levou à prisão e recorda a tortura de que foi alvo pela polícia política.

Após a revolução, Rui d'Espiney, que faria 74 anos em agosto, afastou-se da política ativa e vivia atualmente em Setúbal, dedicando-se ao ensino, através de uma associação -- o Instituto das Comunidades Educativas.

Lusa

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Donald Trump já está no Vaticano 
    1:32