sicnot

Perfil

País

Parlamento aprova resoluções para encerrar central nuclear de Almaraz

A Assembleia da República aprovou hoje duas recomendações ao Governo para que intervenha junto de Espanha para o encerramento da central nuclear de Almaraz, situada a 100 quilómetros da fronteira com Portugal.

O projeto de resolução do PAN foi aprovado por unanimidade e o projeto de resolução do BE foi aprovado com o voto contra do PSD, a abstenção do CDS e do deputado socialista Ascenso Simões e os votos favoráveis de PS, BE, PCP e PEV.

A funcionar desde o início da década de 1980, a central está situada junto ao rio Tejo e faz fronteira com os distritos portugueses de Castelo Branco e Portalegre, sendo Vila Velha de Ródão a primeira povoação portuguesa banhada pelo Tejo depois de o rio entrar em Portugal.

As recomendações são muito semelhantes na sua componente resolutiva, ambas pedindo que o Governo atue junte do Estado espanhol para o encerramento da central.

A iniciativa apresentada pelo PAN pedia ao Governo a intervenção "junto do governo espanhol no sentido de proceder ao encerramento da central nuclear de Almaraz, localizada em Espanha, a 100 quilómetros da fronteira com Portugal, uma vez que a mesma não só não possui as condições necessárias para estar em funcionamento tendo reprovado em teste de resistência realizado pela Greenpeace, como já deveria ter sido encerrada em 2010, estando já ultrapassado o tempo de vida útil para as centrais nucleares deste tipo".

A recomendação apresentada pelo BE pedia ao executivo "que tome todas as iniciativas necessárias, junto do Estado Espanhol e das instituições europeias, no sentido do encerramento da central nuclear de Almaraz".

"As consequências de um acidente nuclear grave são enormes, com implicações na vida e na saúde de gerações, com contaminação em larga escala, pelo ar e pelo Tejo, podendo levar a um êxodo de populações", lê-se na recomendação apresentada pelo BE.

A iniciativa do Bloco considerava que "a segurança das populações, fronteiriças e não só, vale mais do que os lucros dos acionistas da central - Endesa, Iberdrola e União Fenosa".

O projeto de resolução do BE citava um relatório da organização Greenpeace que concluiu que Almaraz não é segura e deve fechar.

O texto do PAN desenvolvia com mais detalhe o relatório da Greenpeace, sintetizando que a organização apontava que a central "não possui válvulas de segurança que previnam a explosão do hidrogénio", nem medidas de gestão de acidentes eficazes de "contenção total da radioatividade em caso de acidente grave".

A Greenpeace concluiu ainda que não existe avaliação dos riscos naturais, nem sistemas de ventilação com filtro, tendo Almaraz "um design débil que torna a central vulnerável a fatores de risco externos, sejam eles acidentais ou premeditados", refere o PAN.

Lusa

  • Central nuclear de Almaraz levanta dúvidas relativamente à segurança
    8:49

    Mundo

    A central nuclear espanhola de Almaraz, a 100 kms da fronteira com Portugal, está a levantar dúvidas relativamente à segurança. Recentemente, a Green Peace denunciou problemas no edifício e, no início deste ano, depois de duas avarias nos motores das bombas que puxam a água do Tejo para refrigerar os reatores, o Conselho de Segurança Nuclear realizou uma vistoria. As elétricas que exploram a central prometem corrigir as falhas e o Governo espanhol garante que não houve contaminação.

  • Catarina Martins preocupada com as descargas químicas que poluem o Tejo
    0:53

    País

    Catarina Martins deixou hoje o apelo para que sejam tomadas medidas concretas de combate à poluição, num dia em que o Tejo foi declarado reserva de biosfera pela Unesco. A líder do Bloco de Esquerda está preocupada com o facto ter sido cortado para metade o número de inspectores ambientais, por causa das descargas químicas. E lembrou o perigo da não desactivação da central nuclear de Almaraz, em Espanha.

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20