sicnot

Perfil

País

Parlamento aprova resoluções para encerrar central nuclear de Almaraz

A Assembleia da República aprovou hoje duas recomendações ao Governo para que intervenha junto de Espanha para o encerramento da central nuclear de Almaraz, situada a 100 quilómetros da fronteira com Portugal.

O projeto de resolução do PAN foi aprovado por unanimidade e o projeto de resolução do BE foi aprovado com o voto contra do PSD, a abstenção do CDS e do deputado socialista Ascenso Simões e os votos favoráveis de PS, BE, PCP e PEV.

A funcionar desde o início da década de 1980, a central está situada junto ao rio Tejo e faz fronteira com os distritos portugueses de Castelo Branco e Portalegre, sendo Vila Velha de Ródão a primeira povoação portuguesa banhada pelo Tejo depois de o rio entrar em Portugal.

As recomendações são muito semelhantes na sua componente resolutiva, ambas pedindo que o Governo atue junte do Estado espanhol para o encerramento da central.

A iniciativa apresentada pelo PAN pedia ao Governo a intervenção "junto do governo espanhol no sentido de proceder ao encerramento da central nuclear de Almaraz, localizada em Espanha, a 100 quilómetros da fronteira com Portugal, uma vez que a mesma não só não possui as condições necessárias para estar em funcionamento tendo reprovado em teste de resistência realizado pela Greenpeace, como já deveria ter sido encerrada em 2010, estando já ultrapassado o tempo de vida útil para as centrais nucleares deste tipo".

A recomendação apresentada pelo BE pedia ao executivo "que tome todas as iniciativas necessárias, junto do Estado Espanhol e das instituições europeias, no sentido do encerramento da central nuclear de Almaraz".

"As consequências de um acidente nuclear grave são enormes, com implicações na vida e na saúde de gerações, com contaminação em larga escala, pelo ar e pelo Tejo, podendo levar a um êxodo de populações", lê-se na recomendação apresentada pelo BE.

A iniciativa do Bloco considerava que "a segurança das populações, fronteiriças e não só, vale mais do que os lucros dos acionistas da central - Endesa, Iberdrola e União Fenosa".

O projeto de resolução do BE citava um relatório da organização Greenpeace que concluiu que Almaraz não é segura e deve fechar.

O texto do PAN desenvolvia com mais detalhe o relatório da Greenpeace, sintetizando que a organização apontava que a central "não possui válvulas de segurança que previnam a explosão do hidrogénio", nem medidas de gestão de acidentes eficazes de "contenção total da radioatividade em caso de acidente grave".

A Greenpeace concluiu ainda que não existe avaliação dos riscos naturais, nem sistemas de ventilação com filtro, tendo Almaraz "um design débil que torna a central vulnerável a fatores de risco externos, sejam eles acidentais ou premeditados", refere o PAN.

Lusa

  • Central nuclear de Almaraz levanta dúvidas relativamente à segurança
    8:49

    Mundo

    A central nuclear espanhola de Almaraz, a 100 kms da fronteira com Portugal, está a levantar dúvidas relativamente à segurança. Recentemente, a Green Peace denunciou problemas no edifício e, no início deste ano, depois de duas avarias nos motores das bombas que puxam a água do Tejo para refrigerar os reatores, o Conselho de Segurança Nuclear realizou uma vistoria. As elétricas que exploram a central prometem corrigir as falhas e o Governo espanhol garante que não houve contaminação.

  • Catarina Martins preocupada com as descargas químicas que poluem o Tejo
    0:53

    País

    Catarina Martins deixou hoje o apelo para que sejam tomadas medidas concretas de combate à poluição, num dia em que o Tejo foi declarado reserva de biosfera pela Unesco. A líder do Bloco de Esquerda está preocupada com o facto ter sido cortado para metade o número de inspectores ambientais, por causa das descargas químicas. E lembrou o perigo da não desactivação da central nuclear de Almaraz, em Espanha.

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59